Itaú Unibanco adia aposentadoria de Roberto Setubal por dois anos

21.02.2013

Por Vanessa Adachi e Carolina Mandl | De São Paulo Em um movimento não antecipado pelo mercado financeiro, a Itaú Unibanco Holding decidiu prorrogar a idade de aposentadoria de seu presidente, de 60 para 62 anos. Com isso, Roberto Egydio Setubal, 58 anos completados em outubro, ganhará mais dois anos -num total de quatro – […]

Por Vanessa Adachi e Carolina Mandl | De São Paulo

Em um movimento não antecipado pelo mercado financeiro, a Itaú Unibanco Holding decidiu prorrogar a idade de aposentadoria de seu presidente, de 60 para 62 anos. Com isso, Roberto Egydio Setubal, 58 anos completados em outubro, ganhará mais dois anos -num total de quatro – à frente do maior banco privado do país. A alteração, a ser aprovada pelo conselho de administração da instituição, coloca fim à especulação sobre o futuro do seu comando.

A alteração só será válida para o cargo de presidente da Itaú Unibanco Holding. Os demais executivos do banco continuarão respeitando o limite de 60 anos, estabelecido pelo estatuto desde a união de Itaú e Unibanco. Isso vale também para a presidência do próprio Itaú, da qual Setubal sairá ao 60 anos, ficando na holding. Até a fusão, a idade máxima para os executivos do Itaú era justamente 62 anos, enquanto o Unibanco adotava 58 anos como limite.

O adiamento da idade de aposentadoria se dará dentro de uma nova estrutura. A partir de 2015, o presidente da holding terá debaixo de si apenas dois bancos, um de varejo e outro de atacado, num modelo que lembra o que era adotado pelo Unibanco. Até hoje, sob a presidência, havia uma série de áreas segmentadas, como varejo, seguros, cartões, Itaú BBA e outros.

Isso quer dizer que, em 2015, abaixo de Setubal existirão apenas dois executivos principais. Tudo indica que no atacado deve permanecer Candido Bracher, presidente do Itaú BBA. A questão é quem comandará o varejo. Hoje, as escolhas mais óbvias seriam Marco Bonomi ou Márcio Schettini, vice-presidentes responsáveis, respectivamente, por varejo e produtos de varejo. O primeiro veio originalmente do Itaú, enquanto o segundo é um ex-Unibanco.

Em reunião encerrada no início da noite de ontem com a cúpula da instituição, Setubal comunicou essas e outras mudanças que começam a colocar o Itaú na rota do que virá a ser em 2015. "Estamos preparando o banco para o futuro. Ele ganha mais agilidade para voltar a crescer em ritmo forte", disse o vice-presidente Zeca Rudge ao Valor. A estrutura, antes segmentada, foi simplificada para criar mais unidade e coerência, disse ele.

A divisão entre atacado e varejo já começou a ficar mais clara desde ontem. O Itaú BBA passará a atender todas as pequenas e médias empresas com faturamento acima de R$ 100 milhões. Antes, o corte era de R$ 400 milhões. Isso ampliará significativamente a receita e a escala do Itaú BBA.

Já as micro e pequenas empresas com faturamento até R$ 100 milhões migram para o varejo, com Bonomi. Antes, todas as micro, pequenas e médias empresas ficavam numa área à parte no Itaú, comandada pelo vice-presidente José Roberto Haym. Ele se tornará vice-presidente do Itaú BBA, responsável pelas pequenas e médias empresas que chegam.

Márcio Schettini, que cuidava de crédito ao consumo, assumiu também seguros e crédito de veículos e imobiliário. Ou seja, a maior parte dos produtos de varejo foram agrupados com ele. Por fim, Zeca Rudge, também vice-presidente, que já cuidava da marketing, relações institucionais e com a imprensa, pessoas e eficiência, assumiu a área de compras. Eduardo Vassimon, recentemente anunciado como vice-presidente responsável pela área de riscos, assume também controles internos.

Algumas das áreas redistribuídas – seguros, compras e controles internos – estavam sob a guarda de Marcos de Barros Lisboa, que está deixando o Itaú Unibanco. Ele voltará para a vida acadêmica, no Insper de Claudio Haddad. A área de veículos antes era tocada por Luís Otávio Matias, que passa de vice-presidente a diretor, se reportando a Schettini. Caio Ibrahim David, antes diretor, se torna vice-presidente responsável pela área de finanças do banco.

No total, o comitê executivo, formado pelos vice-presidente e presidente, perdeu quatro integrantes e ganhou outros três. Saíram Sérgio Werlang (em janeiro), Marcos Lisboa, Luís Otávio Matias e José Roberto Haym. E entraram Eduardo Vassimon, Caio Ibrahim David e Cláudia Politanski. Cláudia era diretora jurídica e passa a vice-presidente responsável pela mesma área e ainda pela secretaria do comitê e do conselho de administração. É a primeira mulher a assumir um assento no comitê. O comitê executivo ficará com dez integrantes. Além dos já citados, fazem parte dele Roberto e Alfredo Setubal, Schettini, Rudge, Bonomi, Ricardo Marino e Alexandre Barros.

Fonte: Valor Econômico
 

Notícias Relacionadas

Após repercussão das denúncias de assédio sexual, Pedro Guimarães pede demissão

Testemunhos das vítimas vieram a público na terça-feira (28) e assustam pela quantidade de casos e pelo grau de desrespeito e crueldade; Ministério Público investiga em sigilo O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, entregou seu pedido de demissão na tarde desta quarta-feira (29) ao presidente da república, Jair Bolsonaro. A decisão foi tomada […]

Leia mais

NOTA OFICIAL

NOTA OFICIAL Pelo imediato afastamento de Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, e o acolhimento e preservação das vítimas Nós, bancárias de todo o Brasil, manifestamos nossa indignação pelos atos de assédio sexual praticados por Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, que ganharam repercussão na noite de desta terça-feira, 28/06/2022, ao serem divulgados […]

Leia mais

Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul repudia ações de Pedro Guimarães, acusado de assédio sexual

Além de apuração das denúncias, representação dos empregados pede afastamento do presidente da Caixa Após se tornar pública a acusação de assédio sexual feita por diferentes empregadas da Caixa Econômica Federal ao presidente Pedro Duarte Guimarães, a Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul, se solidariza com as vítimas e manifesta […]

Leia mais

Sindicatos filiados