Itaú Unibanco tem lucro de R$ 3,17 bilhões no trimestre

08.10.2020

Valor Economico Por Aline Lima e Eduardo Laguna, de São Paulo 04/08/2010     Como de praxe, o Itaú Unibanco reportou ontem o maior lucro líquido entre as instituições financeiras privadas, de R$ 3,17 bilhões no segundo trimestre. O resultado, porém, representou uma pequena redução, de 2,1%, em relação ao desempenho do primeiro trimestre. Em […]

Valor Economico

Por Aline Lima e Eduardo Laguna, de São Paulo
04/08/2010
 
 
Como de praxe, o Itaú Unibanco reportou ontem o maior lucro líquido entre as instituições financeiras privadas, de R$ 3,17 bilhões no segundo trimestre. O resultado, porém, representou uma pequena redução, de 2,1%, em relação ao desempenho do primeiro trimestre. Em 12 meses, houve um avanço de 23,1%. Se desconsiderados efeitos não recorrentes de R$ 133 milhões, referentes a provisões de contingência para planos econômicos, o lucro recorrente passa para R$ 3,3 bilhões. No semestre, o lucro líquido acumulado foi de R$ 6,4 bilhões, superior em 39,4% ao resultado de igual período de 2009.
A carteira de crédito do banco apresentou evolução de 4% na comparação trimestral, crescimento em linha com o de seu principal concorrente, o Bradesco. Em 12 meses, o avanço foi de 11,4%. O saldo dos empréstimos e financiamentos alcançou R$ 296,19 bilhões. Segundo Rogério Calderón, diretor de controladoria do Itaú Unibanco, a performance foi impulsionada pelo varejo – aí entendido como setor da economia, estando incluídos tanto pessoas físicas quanto empresas do ramo. As concessões para consumidores e cadeia de suprimentos do varejo cresceu 19% em relação a junho de 2009.
Em termos de segmento de clientes, micro, pequenas e médias empresas são destaque. Os financiamentos para pessoas jurídicas com faturamento anual de até R$ 150 milhões (corte utilizado pelo Itaú Unibanco) subiu 6,7% entre março e junho e 26,3% em 12 meses, atingindo R$ 68,6 bilhões. O desempenho só foi inferior ao do crédito imobiliário, que cresceu 12,1% na comparação trimestral e 47,7% no intervalo de um ano. O estoque da linha, porém, é de R$ 10,5 bilhões, muito menor que a carteira de pequenas e médias empresas, respondendo por apenas 3,5% do saldo da carteira do banco.
Analistas consideraram a evolução da carteira de crédito do Itaú Unibanco tímida. Mariana Taddeo, da Link Investimentos, observou que o crescimento ficou abaixo daquele apresentado pelo sistema financeiro, de 5,3% no trimestre e de 19,8% no ano. Segundo Calderón, as operações para grandes empresas prejudicaram a carteira como um todo. "Além do impacto cambial, essas empresas têm preferido acessar o mercado de capitais, que está bastante aquecido", explicou.
O Itaú Unibanco demonstrou uma posição cautelosa sobre o comportamento da inadimplência nos próximos meses. Rogério Calderón, diretor corporativo de controladoria do banco, disse que alguns indícios apontam para um "ligeiro aumento da inadimplência". Ele afirmou que o banco ainda não visualizou em sua carteira esse movimento, mas citou que alguns indicadores sugerem um aumento nos calotes.
Com isso, o Itaú Unibanco preferiu não revisar a previsão de queda entre 0,5 ponto e 1 ponto percentual no nível de calotes neste ano, apesar de os atrasos superiores a 90 dias terem mostrado baixa de 1 ponto percentual já nos seis primeiros meses de 2010, cedendo para 4,6% dos empréstimos do banco. De acordo com Calderón, a tendência é que a taxa se mantenha perto desse patamar até dezembro.
A posição destoa do otimismo da direção do Bradesco, que previu na quarta-feira passada novas quedas da inadimplência até o fim do ano. Oficialmente, o banco não mudou suas previsões, que projetam uma taxa de 4% em dezembro. No entanto, o presidente do do Bradesco, Luiz Carlos Trabuco Cappi, disse que os calotes podem cair para a faixa de 3,6% a 3,7% até dezembro.

Notícias Relacionadas

Bancários aprovam acordos de trabalho do Santander

97,18% dos funcionários aprovaram o acordo com o banco Bancários do banco Santander de todo o país aprovaram, nesta quinta-feira (22), com 97,18% dos votos, o Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) geral dos funcionários, aditivo à Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) da categoria bancária, o ACT do Programa de Participação nos Resultados Santander (PPRS) e […]

Leia mais

Negociação dos Financiários continua sem avanços

Financeiras apresentam proposta abaixo da expectativa da categoria Representantes dos Financiários e a Federação Interestadual das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento (Fenacrefi) se reuniram nesta quinta-feira (22) para dar continuidade às negociações da campanha salarial da categoria. A pauta de reivindicações da categoria, com data-base em 1º de junho, foi entregue no dia 15 […]

Leia mais

Bancários do Santander participam de Assembleia nesta quinta-feira (22/9)

Votação acontece em plataforma eletrônica das 8h às 20h Nesta quinta-feira (22), bancários do Santander de todo o país participam de Assembleias para avaliar o Acordo Coletivo de Trabalho, o Acordo Coletivo de Trabalho sobre a Participação nos Lucros e Resultados (PPRS) e o Termo de Relações Laborais, todos com validade por dois anos. Os […]

Leia mais

Sindicatos filiados