Juro ao consumidor sobe mais que taxa básica em 2013

10.01.2014

Valor cobrado em crédito avançou 3,46 pontos percentuais, de 88,83% para 92,29% ao ano, e a Selic, 2,75 pontos DANIELLE BRANT DE SÃO PAULO O juro médio cobrado do consumidor nas diversas linhas de crédito subiu mais em 2013 do que a taxa básica da economia, a Selic. Enquanto o juro básico aumentou 2,75 pontos […]

Valor cobrado em crédito avançou 3,46 pontos percentuais, de 88,83% para 92,29% ao ano, e a Selic, 2,75 pontos

DANIELLE BRANT
DE SÃO PAULO

O juro médio cobrado do consumidor nas diversas linhas de crédito subiu mais em 2013 do que a taxa básica da economia, a Selic.

Enquanto o juro básico aumentou 2,75 pontos percentuais no ano passado, de 7,25% ao ano –o menor da história– para 10% ao ano, o valor cobrado do consumidor cresceu, em média, 3,46 pontos percentuais –de 88,83% ao ano para 92,29% ao ano.

Os cálculos são da Anefac (Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade).

Vale destacar que o juro médio das linhas de crédito fechou 2013 em valor equivalente a mais de 9 vezes o da Selic, mas, quando a taxa básica era a mínima histórica, essa diferença era ainda maior: superava 12 vezes.

Considerando cada taxa separadamente, a Selic subiu 37,93% no ano, enquanto o juro ao consumidor, 3,90%.

"A diferença entre o juro ao consumidor e a taxa básica, que compõe o valor cobrado nos empréstimos, de qualquer forma, continua gritante", diz Samy Dana, economista da FGV (Fundação Getulio Vargas). "É preciso cuidado ao tomar crédito."

Miguel José Ribeiro de Oliveira, diretor da Anefac, afirma que o consumidor não percebe o aumento do juro nas parcelas de empréstimos justamente porque não é expressivo em relação à taxa anterior. No longo prazo, porém, Oliveira acrescenta que esse aumento pode se tornar significativo e comprometer o orçamento familiar.

ORIENTAÇÕES

O quadro ao lado traz simulações de empréstimos no crédito pessoal, no rotativo do cartão de crédito e no cheque especial –os dois últimos, com as maiores taxas de juros entre as modalidades avaliadas pela Anefac.

De acordo com o educador financeiro Reinaldo Domingos, da DSOP, empresa de orientação financeira, antes de tomar o crédito, o consumidor deve fazer o diagnóstico das finanças para ver se as prestações cabem no bolso.

Também é indicado reorganizar as finanças para se livrar das dívidas mais caras. "É possível buscar uma linha de crédito com juro menor para substituir uma dívida em outra com taxa mais alta."

O consultor recomenda ainda gastar menos do que se ganha. "É algo que precisa do apoio familiar para dar certo."

Fonte: Folha de S.Paulo

Notícias Relacionadas

Banco do Brasil aprova atualização da Tabela PIP para beneficiar trabalhadores do Previ Futuro

Mudança na Pontuação Individual do Participante permite aumento na contribuição adicional e soma mais recursos para a aposentadoria, atendendo a antiga reivindicação dos funcionários O Banco do Brasil aprovou as mudanças na Tabela PIP (Pontuação Individual do Participante), uma reivindicação antiga dos trabalhadores, que permitirá aumentar a contribuição adicional para a aposentadoria. O anúncio foi […]

Leia mais

Eleições da Funcef: votação segue até sexta-feira (19)

Participantes da ativa e assistidos dos planos de previdência podem votar até sexta-feira (19), mas a orientação é não deixar para a última hora Teve início nesta terça-feira (16), a votação para as Eleições Funcef. Participantes dos planos de previdência da Funcef podem votar para definir quem vai ocupar a diretoria de Administração e Controladoria, […]

Leia mais

Feeb SP/MS dá posse para nova Diretoria

                Diretoria eleita assume quadriênio 2024/2028 A Federação dos Empregados em Estabelecimentos Bancários dos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul (Feeb SP/MS) empossou a nova diretoria da entidade, eleita durante o VIII Congresso Interestadual, realizado em março, em São Paulo. A posse foi oficializada no dia 08 […]

Leia mais

Sindicatos filiados