Juro bancário de pessoa física é o mais alto em 19 meses em novembro

20.12.2013

No mês passado, taxa cobrada pelos bancos somou 38,5% ao ano. Em 2013, juro bancário de pessoa física sobe bem mais do que taxa Selic. Os juros bancários médios dos empréstimos para pessoas físicas (recursos livres) avançaram 0,1 ponto percentual em novembro deste ano, para 38,5% ao ano, o maior patamar em 19 meses, ou seja, […]

No mês passado, taxa cobrada pelos bancos somou 38,5% ao ano. Em 2013, juro bancário de pessoa física sobe bem mais do que taxa Selic.

Os juros bancários médios dos empréstimos para pessoas físicas (recursos livres) avançaram 0,1 ponto percentual em novembro deste ano, para 38,5% ao ano, o maior patamar em 19 meses, ou seja, desde abril do ano passado (39,4% ao ano), segundo informações divulgadas pelo Banco Central nesta quinta-feira (19).

O aumento dos juros bancários de pessoas físicas acontece após o próprio Banco Central ter iniciado, em abril deste ano, um ciclo de alta dos juros básicos da economia, para tentar conter o crescimento da inflação. Desde então, os juros básicos subiram seis vezes, passando de 7,25% para 10% ao ano – uma elevação de 2,75 pontos percentuais.

Juros sobem mais do que Selic

Com o aumento dos juros básicos do país, também houve alta na taxa de captação das instituições financeiras, ou seja, quanto os bancos pagam pelos recursos.

No fim do ano passado, a taxa de captação, para operações com pessoas físicas, estava em 8,3% ao ano, passando para 11,9% ao ano em novembro. Um crescimento de 3,6 pontos percentuais.

No mesmo período, os juros bancários das instituições financeiras para pessoas físicas cresceram 4,6 pontos percentuais, visto que estavam em 33,9% ao ano em dezembro de 2012.

Deste modo, os dados do BC mostram que as instituições financeiras não só estão repassando a alta do custo de captação que tiveram por conta da elevação dos juros básicos da economia, como também estão subindo os juros cobrados de seus clientes acima da alta da Selic – fixada pelo Banco Central.

Taxa média de empresas e geral

No caso das operações dos bancos com as empresas, ainda com base nos chamados "recursos livres", a taxa média somou 21,4% ao ano em novembro – com alta de 0,6 ponto percentual frente ao patamar de outubro (20,8% ao ano). É o maior valor desde abril do ano passado (22,2% ao ano). No ano, essa taxa avançou 3,4 pontos percentuais.

Também subiu em setembro deste ano a taxa média geral de todas as operações com recursos livres, que somou 29,3% ao ano no mês passado, contra 29% ao ano em outubro. Neste caso, os juros atingiram o maior valor desde abril do ano passado (30,4% ao ano). No acumulado de 2013, a taxa média de juros bancários avançou 4 pontos percentuais.

Metodologia

O Banco Central mudou, no início deste ano, o formato de registro dos dados relativos aos juros bancários e, ao mesmo tempo, também desativou a série histórica que vigorava anteriormente. Pela nova metodologia, as operações com recursos livres (que não têm relação com o crédito direcionado, que é rural, BNDES e habitação) passaram a englobar algumas modalidades de empréstimos, como arrendamento mercantil (leasing), descontos de cheques (operações que se assemelham com "factoring"), além de cheque especial pessoa jurídica e antecipação de faturas de cartão.

Fonte: G1 

Notícias Relacionadas

Bancários criam Comitê de Luta durante Congresso Nacional

Comitê nacional lutará para defender o BB como instituição pública e em apoio a projeto de Governo que fortaleça o banco e sua função social, de indutor do crescimento econômico com geração de emprego e renda O papel do Banco do Brasil na reconstrução do país foi um dos temas em destaque no 33° Congresso […]

Leia mais

Coe Itaú entrega pauta de reivindicação específica ao Banco

O documento é resultado do Encontro Nacional dos Bancários do Itaú Os representantes da Comissão de Organização dos Empregados (COE) Itaú entregaram nesta quinta-feira (23), a pauta de reivindicação específica do banco. O documento é resultado do Encontro Nacional dos Bancários do Itaú. “Reafirmamos o nosso compromisso com o banco de negociação permanente, através da […]

Leia mais

Campanha Nacional: Bancários definem temas das próximas negociações com os bancos

Demissão em massa pelo Mercantil do Brasil no Rio de Janeiro; abono do banco de horas negativas e retirada de pauta do PL 1043/2019, também foram pautas do primeiro dia de negociação O Comando Nacional dos Bancários definiu nesta quarta-feira (22), os temas das reuniões de negociações com a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban). Os […]

Leia mais

Sindicatos filiados