Justiça de Franca nega interdito proibitório ao Santander

23.09.2013

A 2ª Vara da Justiça do Trabalho de Franca negou pedido de interdito proibitório impetrado pelo Santander contra o Sindicato dos Bancários. O banco espanhol alegou que o Sindicato estava impedindo os funcionários não aderentes à greve, assim como clientes e usuários de ingressarem nas agências, impedindo o seu funcionamento. Em sua petição, o banco pede […]

A 2ª Vara da Justiça do Trabalho de Franca negou pedido de interdito proibitório impetrado pelo Santander contra o Sindicato dos Bancários. O banco espanhol alegou que o Sindicato estava impedindo os funcionários não aderentes à greve, assim como clientes e usuários de ingressarem nas agências, impedindo o seu funcionamento. Em sua petição, o banco pede ainda que o Sindicato se abstenha de praticar atos de turbação e o uso de força policial para o cumprimento da liminar.

Em seu despacho, a Dra. Rosilene da Silva Nascimento, juíza da 2ª Vara do Trabalho, diz o seguinte: “(…) Da análise dos autos, infere-se que os documentos colacionados não comprovam as alegações constantes da exordial, uma vez que as fotos apresentadas apenas demonstram agências bancárias com cartazes indicativos de greve, os quais podem ter caráter meramente informativo, não havendo qualquer indicativo de que os bancários estão se utilizando de meios que possam inviabilizar a atividade econômica do reclamante. Noto que nas fotografias juntadas sequer é possível identificar o banco reclamante ou diferenciar pessoas integrantes do sindicato de clientes.

O artigo 9º da Constituição Federal garante o direito de greve e, desde que não sejam cometidos abusos, esse direito prevalece.

A delimitação do direito de greve somente poderá ser feita se durante o movimento grevista houver comprovada ameaça ou turbação da posse dos bens do empregador e do livre uso das suas sedes ou obstrução do direito de ir e vir dos empregados, clientes e demais interessados.

Portanto, por não comprovadas as alegações do requerente, indefiro a concessão de liminar”.

"Nosso movimento é pacífico. A greve é nosso último recurso para fazer com que os banqueiros rompam o silêncio e retomem as negociações”, disse o presidente do Sindicato Edson Santos. 

Fonte: Sindicato dos Bancários de Franca

Notícias Relacionadas

Campanha Nacional: Combate ao Assédio Moral volta a ser negociado com Federação Nacional dos Bancos (Fenaban)

Bancos negam que causa de adoecimento está relacionada à cobrança de metas O Comando Nacional dos Bancários se reuniu com a Federação Nacional dos Bancos nesta segunda-feira (15), para mais uma negociação. O combate ao assédio moral foi novamente tema do debate. Apesar de mais uma vez os bancos negarem que a causa do adoecimento […]

Leia mais

CEBB negocia com o banco cláusulas econômicas e representação sindical

Ao término da negociação, bancários leram manifesto pela democracia Bancários do Banco do Brasil se reuniram nesta sexta-feira (12) com o banco para mais uma negociação da Campanha Nacional dos Bancários 2022, que tem por objetivo a renovação do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) específico dos trabalhadores do Banco do Brasil e do aditivo à […]

Leia mais

Federação dos Bancários orienta Sindicatos para realização de lives na próxima semana

Objetivo é promover o dialogo com a categoria e fortalecer pautas de luta na Campanha Nacional Conforme orientação do Comando Nacional, todo o movimento sindical deve dialogar com a categoria na próxima semana. A Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul, reforça o pedido para os seus 23 sindicatos filiados, para […]

Leia mais

Sindicatos filiados