Justiça determina que Caixa cumpra medidas de combate ao assédio

27.10.2022

Na última quarta-feira (26), a Justiça do Trabalho determinou que a Caixa Econômica Federal cumpra imediatamente medidas para combater o assédio moral, sexual e a discriminação. A decisão da  Justiça do Trabalho leva em conta as denúncias realizadas em junho por funcionárias da Caixa contra o então presidente Pedro Guimarães, alvo de três acusações de […]

Na última quarta-feira (26), a Justiça do Trabalho determinou que a Caixa Econômica Federal cumpra imediatamente medidas para combater o assédio moral, sexual e a discriminação.

A decisão da  Justiça do Trabalho leva em conta as denúncias realizadas em junho por funcionárias da Caixa contra o então presidente Pedro Guimarães, alvo de três acusações de assédio sexual e nove por assédio moral. No final de setembro, o MPT pediu que a Justiça o condene a pagar R$ 30 milhões pelos crimes citados pelos funcionários da Caixa.

Confira as medidas determinadas pela Justiça do Trabalho, segundo o MPT:

Caixa fica proibida de:

  • Praticar assédio moral, sexual e discriminação;
  • Perseguir empregados que tenham feito denúncias;
  • Restringir a promoção de mulheres por terem se beneficiado de ação coletiva;
  • Pesquisar o posicionamento político de candidatos a cargos de gestão.

 Caixa fica obrigada a:

  • Adotar providências em no máximo 30 dias quando receber denúncias de assédio moral e sexual;
  • Concluir a apuração do caso em no máximo 90 dias;
  • Oferecer apoio psicológico à vítima;
  • Oferecer suporte para representação criminal contra o assediador, quando a apuração concluir que houve assédio.

Relembre o caso

Pedro Guimarães foi acusado de assédio sexual por várias empregadas da Caixa, informação divulgada na terça-feira (28), pelo site Metrópoles. Em poucos minutos a notícia ganhou repercussão nacional, em especial na Câmara dos Deputados, onde vários parlamentares pediram em plenário a demissão do executivo.

Segundo a reportagem, no fim do ano passado, um grupo de empregadas ligadas ao gabinete da presidência da Caixa, romperam o silêncio com uma denúncia, ao Ministério Público Federal (MPF), do assédio sexual que vinham sofrendo. Desde então, o MPF toca as investigações em sigilo. Cinco das vítimas falaram à reportagem citada sob anonimato.

Nos testemunhos, elas contam que foram abusadas com toques em partes íntimas sem consentimento, falas e abordagens inconvenientes e convites desrespeitosos, por parte do presidente da entidade. A maior parte dos relatos está ligada a atividades do programa Caixa Mais Brasil, realizadas em todo o país. Pelo programa, desde 2019, já ocorreram mais de 140 viagens, em que estavam Pedro Guimarães e equipe. Nesses eventos profissionais, todos ficam no mesmo hotel, onde ocorria o assédio.

Notícias Relacionadas

Trabalhadores do Itaú entregam pauta específica de reivindicações no dia 25

Documento é resultado do encontro nacional, realizado em São Paulo, no dia 6 de junho A Comissão de Organização dos Empregados (COE) vai entregar a minuta específica de reivindicações ao Itaú na próxima terça-feira (25). O documento servirá de base para a renovação do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) específico do banco. As reivindicações foram […]

Leia mais

Intransigência da Caixa encerra negociações sobre redução de jornada para pais/mães e responsáveis por PcD e neurodivergentes (TEA)

Banco retira da proposta a concessão para empregados PcD, impõe uma série de travas para permitir a redução da jornada para pais/mães/responsáveis de PcD e encerra mesa de negociações após receber questionamentos sobre pontos sensíveis da proposta A reunião que negociaria a redução de jornada para empregadas e empregados da Caixa Econômica Federal com deficiência […]

Leia mais

Caixa afirma que contencioso é insignificante, mas dados disponíveis demonstram o oposto

Fonte: APCEF/SP com informações da Fenae Em uma live realizada nesta terça-feira (18), a Funcef (Fundação dos Economiários Federais) e a Caixa anunciaram que estão abordando o contencioso trabalhista. Segundo Leonardo Groba, diretor jurídico da Caixa, o contencioso atual estaria estimado em cerca de R$ 500 milhões, “não tem grandes proporções, mas a Caixa possui […]

Leia mais

Sindicatos filiados