Levantamento do Sindicato aponta que o Itaú foi o banco que mais demitiu em Piracicaba no ano de 2012

16.01.2013

O Sindicato dos Bancários de Piracicaba e região fez um levantamento sobre os desligamentos ocorridos na base no ano de 2012. Dos 166 ocorridos ano passado, o Itaú ficou em primeiro lugar demitindo 48 bancários e sendo o responsável por 28,9% do total de demissões. Em segundo lugar ficou o Santander, que demitiu 39 bancários […]

O Sindicato dos Bancários de Piracicaba e região fez um levantamento sobre os desligamentos ocorridos na base no ano de 2012. Dos 166 ocorridos ano passado, o Itaú ficou em primeiro lugar demitindo 48 bancários e sendo o responsável por 28,9% do total de demissões. Em segundo lugar ficou o Santander, que demitiu 39 bancários o que representa 23,5% do total e em terceiro o Bradesco, com 23 demissões (13,8%). O único banco que não contabilizou desligamento foi o Mercantil do Brasil.

Um dado que chamou a atenção foi a rotatividade aplicada no banco Safra, que chegou a 81%, já que o quadro de funcionários do banco é de 16 e os desligamentos chegaram a 13. Quanto ao Banco do Brasil nenhum dos 13 desligamentos se deu por iniciativa do banco. No entanto, segundo o vereador e presidente do Sindicato dos Bancários de Piracicaba e região, José Antonio Fernandes Paiva, a de se estudar o porquê de os colegas não quererem mais trabalhar no BB. “O mesmo tem ocorrido com a CEF (Caixa Econômica Federal), que teve 12 bancários desligados. Tais dados preocupam, pois algo está ocorrendo para que os bancários não queiram mais trabalhar nos bancos públicos”, enfatiza.

No restante dos bancos os desligamentos foram:HSBC (6), Cooperativa (5), Luso Brasileiro (3), Citibank (2), Votorantim (1), Banco Alfa (1), que somados representam 10,6% das demissões.

Com esses dados fica evidente que os três maiores bancos privados estão demitindo seus funcionários sem justa causa e num volume acima da média. Grande parte das demissões recai sobre os cargos de gerente e funcionários com mais de 10 anos de banco.

Segundo Paiva, quanto aos bancos públicos verifica-se que o perfil de relacionamento pessoal ou de gestão de pessoas alterou-se ao ponto de os colegas estarem deixando o banco por iniciativa própria. “No BB dados comprovam que os homens que pediram para sair são o dobro das mulheres e na CEF, as mulheres que pediram para sair representa o dobros dos homens.”

Fonte: Seeb Piracicaba

 

Notícias Relacionadas

Eleições Economus – Ainda dá tempo de votar!

Passamos da metade do período do pleito, que vai eleger dois membros ao conselho deliberativo e um membro ao conselho fiscal do Economus. Até esta sexta-feira (19), 28% dos eleitores haviam exercido o direito ao voto. A Federação dos Bancários dos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul (FEEB SP/MS) e seus sindicatos […]

Leia mais

Banco do Brasil aprova atualização da Tabela PIP para beneficiar trabalhadores do Previ Futuro

Mudança na Pontuação Individual do Participante permite aumento na contribuição adicional e soma mais recursos para a aposentadoria, atendendo a antiga reivindicação dos funcionários O Banco do Brasil aprovou as mudanças na Tabela PIP (Pontuação Individual do Participante), uma reivindicação antiga dos trabalhadores, que permitirá aumentar a contribuição adicional para a aposentadoria. O anúncio foi […]

Leia mais

Eleições da Funcef: votação segue até sexta-feira (19)

Participantes da ativa e assistidos dos planos de previdência podem votar até sexta-feira (19), mas a orientação é não deixar para a última hora Teve início nesta terça-feira (16), a votação para as Eleições Funcef. Participantes dos planos de previdência da Funcef podem votar para definir quem vai ocupar a diretoria de Administração e Controladoria, […]

Leia mais

Sindicatos filiados