Licença-paternidade eleva confiança dos profissionais, diz especialista

08.10.2020

Por: Camila F. de Mendonça InfoMoney SÃO PAULO – Nesta semana, foi aprovada pelo Senado a extensão da licença-maternidade para seis meses. Contudo, nem só as mulheres têm o direito de usufruir dos primeiros momentos de seus filhos. A legislação brasileira prevê cinco dias consecutivos para a licença-paternidade. E o benefício tem impactos positivos no […]

Por: Camila F. de Mendonça
InfoMoney
SÃO PAULO – Nesta semana, foi aprovada pelo Senado a extensão da licença-maternidade para seis meses. Contudo, nem só as mulheres têm o direito de usufruir dos primeiros momentos de seus filhos. A legislação brasileira prevê cinco dias consecutivos para a licença-paternidade. E o benefício tem impactos positivos no ambiente de trabalho.
Para o CEO Global do Great Place to Work, José Tolovi Jr., a licença-paternidade eleva o nível de confiança que os profissionais depositam na organização, bem como têm impactos positivos na percepção deles sobre a empresa. “Em um dos momentos mais importantes da vida de um homem, é muito bom saber que se pode contar com a empresa para a qual trabalha”, disse.
Hoje, os pais podem ficar cinco dias em casa após o nascimento do filho. A PEC (Proposta de Emenda Constitucional) aprovada pelo Senado nesta semana prevê um período maior, de 15 dias. A medida ainda precisará passar pela avaliação da Câmara dos Deputados.

Direitos pelo mundo

Para Tolovi Jr., o Brasil ainda precisa avançar na questão da licença-paternidade. Segundo ele, em países como a França, Holanda, Polônia e Espanha, o benefício é de 16 semanas. “Nesses países, a tendência é fomentar o debate sobre a ampliação da licença-paternidade – incluindo pais adotivos e parceiros do mesmo sexo”, afirmou.
Na Dinamarca, a licença-maternidade remunerada tem duração de seis meses a um ano e pode ser partilhada pelo casal. “Na prática, além da licença-paterna regulamentar, fixada em duas semanas, o período adicional pode ser adaptado à rotina do casal. Em seis meses de licença, por exemplo, a mulher pode ficar em casa por três meses e o pai por mais três”, disse.
Tolovi Jr. ainda conta que muitas empresas têm políticas que estimulam a convivência dos pais com os filhos.

Notícias Relacionadas

Conferência Interestadual aprova eixos para Conferência Nacional de 2024

Sindicatos dos Bancários debateram propostas e aprovaram pautas em defesa do trabalhador. Documento será apresentado em Conferência Nacional para discussão na Campanha Salarial de 2024 Delegações de 21 regionais dos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul se reuniram nesta quinta e sexta-feira, 11 e 12 de abril, para debater propostas que serão […]

Leia mais

Abertura da Conferência Interestadual da Feeb SP/MS conta com delegações de 21 regionais

  Primeiro dia de evento amplia visão sobre o futuro do Sistema Financeiro, Cenário Econômico Nacional e Avanço Tecnológico  A Federação dos Bancários dos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul (Feeb SP/MS) abriu nesta quinta-feira (11) a Conferência Interestadual dos Bancários de 2024. O tema central do evento deste ano é “Categoria […]

Leia mais

Proposta da Caixa para PcD é frustrante

Contudo, houve definição sobre pagamento dos deltas da promoção por mérito A proposta da Caixa Econômica Federal sobre redução de jornada e priorização de empregadas e empregados PcD, ou que tenham filhos de até seis anos com deficiência, frustrou a representação dos trabalhadores. “Na proposta do banco, somente há possibilidade de redução da jornada com […]

Leia mais

Sindicatos filiados