Lucro do Banco do Brasil sobe 28% em 2015, para R$ 14,4 bilhões

26.02.2016

Negócio de gestão de cartões Ourocard, em parceria com a Cielo, ajudou no resultado do banco; além de dividendos, acionistas irão receber juros sobre capital próprio Banco do Brasil registra alta de 28% em 2015 em comparação com 2014 Último a apresentar o resultado de 2015, o Banco do Brasil apresentou lucro líquido de R$ […]


Negócio de gestão de cartões Ourocard, em parceria com a Cielo, ajudou no resultado do banco; além de dividendos, acionistas irão receber juros sobre capital próprio

Banco do Brasil registra alta de 28% em 2015 em comparação com 2014

Último a apresentar o resultado de 2015, o Banco do Brasil apresentou lucro líquido de R$ 14,4 bilhões no ano, um aumento de 28% em relação a 2014, quando somou R$ 11,2 bilhões. O lucro líquido ajustado, que exclui os efeitos de itens extraordinários, atingiu R$ 11,5 bilhões no ano. Esse resultado foi 2,2% superior ao observado em 2014.

No balanço divulgado na manhã desta quinta-feira (25), o banco aponta que o resultado obtido em 2015 foi impactado pela receita da operação Cateno, que gerou resultado de R$ 3,2 milhões no lucro líquido no período. A operação foi anunciada em novembro de 2014 e deu à Cielo a gestão dos cartões de crédito e de débito da marca Ourocard, do Banco do Brasil. Em maio do ano passado, foi divulgada a mudança do nome da parceria, que passou de Token para Cateno.

Outras altas. Os ativos totais cresceram 10,2% em 12 meses, para R$ 1,6 trilhão em dezembro. As principais linhas do ativo são operações de crédito, TVM e aplicações interfinanceiras de liquidez, que responderam por 80,3% do total em dezembro/15.

A carteira de crédito do banco terminou 2015 com saldo de R$ 193,2 bilhões, uma alta de 7,5% em 12 meses. As linhas de menor risco, como crédito consignado, alcançaram 75,9% do total da carteira.

Líder no crédito ao agronegócio, com 60,9% de participação de mercado, o banco obteve alta nessa carteira de crédito, que, incluindo operações de crédito rural e agroindustrial, cresceu 6,1% em 12 meses, alcançando R$ 174,9 bilhões em dezembro. O guidance para essa linha era alta de 10% a 14%

Acionistas. Por ação, o lucro líquido do BB alcançou R$ 5,05 no ano de 2015. A gestão da companhia manteve a prática de distribuir 40% do lucro líquido a seus acionistas (payout) e destinou R$ 5,7 milhões em remuneração no período.

O conselho diretor do Banco também aprovou a distribuição de juros sobre capital próprio no valor total de R$ 246,619 milhões, relativo ao quarto trimestre de 2015. Por ação, o valor será de R$ 0,08831 ou R$ 0,09004 atualizado até o dia de hoje (25). O valor também será atualizado pela taxa Selic até a data do pagamento, em 11 de março de 2016.

O patrimônio líquido do BB foi a R$ 81,536 bilhões. O retorno sobre o patrimônio líquido médio ajustado, chamado pelo banco de RSPL, caiu de 14,9% no quarto trimestre de 2014 para 12% em 2015, enquanto fechou o ano em 16,1%, acima dos 14,2% de 2014. Considerando eventos extraordinários, o indicador foi de 14,6% no quarto trimestre de 2014 para 11,4% no quarto trimestre de 2015. No ano, o retorno sobre o patrimônio líquido médio sem efeito extraordinário caiu para 13%, de 14,3% em 2014.

No quarto trimestre de 2015, as demonstrações contábeis consolidadas do Banco do Brasil passaram a ser apresentadas abrangendo o BB Banco Múltiplo e suas entidades controladas.

Fonte: O Estado de S. Paulo
Foto: Paulo Victor/Estadão

 

Notícias Relacionadas

Teletrabalho: CEE recusa proposta apresentada pelo banco

Proposta sobre teletrabalho retrocede e é prejudicial aos trabalhadores   A Comissão Executiva dos Empregados (CEE) da Caixa Econômica Federal se reuniu ontem (16) com o banco para mais uma rodada de negociação. Na ocasião foi analisada a proposta sobre teletrabalho apresentada pelo Banco. Representantes dos trabalhadores recusaram a proposta e destacaram retrocesso e medidas […]

Leia mais

BB insiste em reduzir ciclos avaliatórios da GDP

Campanha Nacional O Banco do Brasil voltou a propor a redução dos ciclos avaliatórios da Gestão de Desempenho Profissional (GDP), durante a sétima rodada virtual de negociação da pauta específica com a Comissão de Empresa (CEBB), realizada nesta terça-feira, dia 16 de agosto. O banco quer apenas um ciclo avaliatório para descomissionar; o aditivo à […]

Leia mais

Financiários se reúnem com a Fenacrefi nesta quarta-feira (17)

Reunião será a primeira negociação da Campanha Nacional 2022 A Federação dos Bancários dos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul (Feeb SP/MS) participa nesta quarta-feira (17), junto com demais representantes dos financiários, da primeira negociação da Campanha Nacional 2022, com a Federação Interestadual das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento (Fenacrefi). Inicialmente, […]

Leia mais

Sindicatos filiados