Lucro mundial do HSBC cai 5,4% e atinge US$ 9,46 bilhões no 1º semestre

04.08.2014

Associated Press O HSBC, um dos maiores bancos do mundo, advertiu que o crescimento frágil da economia global e as crescentes tensões geopolíticas vão impedi-lo de assumir maiores riscos de investimento. Em seu relatório de resultados, o HSBC informou que seu lucro líquido caiu 5,4%, para US$ 9,46 bilhões, no primeiro semestre do ano. O […]

Associated Press

O HSBC, um dos maiores bancos do mundo, advertiu que o crescimento frágil da economia global e as crescentes tensões geopolíticas vão impedi-lo de assumir maiores riscos de investimento.

Em seu relatório de resultados, o HSBC informou que seu lucro líquido caiu 5,4%, para US$ 9,46 bilhões, no primeiro semestre do ano. O banco, que obtém cerca de dois terços do seu lucro na Ásia e é observado de perto como um termômetro do crescimento na região, viu seu lucro antes do pagamento de impostos baixar 15%.

Os ganhos com a atividade de banco de investimento diminuíram globalmente em 12%, para pouco mais de US$ 5 bilhões.

O presidente da instituição, Douglas Flint, disse que as economias do mundo ainda estão se recuperando da crise econômica de 2008, e, portanto, ainda não é hora de arriscar.

"Em uma época de preocupações residuais sobre a sustentabilidade do crescimento econômico em muitos mercados importantes, e com as tensões geopolíticas, a diretoria apoia a visão da gerência que este não é o momento de elevar o apetite por risco para compensar o efeito das receitas mais baixas."

O HSBC, que tem operações em 74 países e territórios, também disse estar sendo desafiado pela crescente regulamentação e pelos custos de implementação das novas regras. Obrigações recentes incluem a execução de "vários testes de estresse muito fragmentados" que não são padronizados entre as principais jurisdições e, por isso, exigem retrabalho.

"As exigências colocadas agora sobre o capital humano da empresa e sobre nossas capacidades de sistemas operacionais não têm precedentes", disse Flint.

O banco disse ver o efeito do corte de custos implementado quando Stuart Gulliver assumiu o cargo de executivo-chefe, em 2011. Ele cortou dezenas de milhares de empregos e eliminou mais de 60 negócios não estratégicos.

Gulliver afirmou que o banco está mais forte agora e tem uma plataforma sólida para crescer. Acrescentou que o Reino Unido deve manter uma recuperação firme.

"Há indícios de que as taxas de juros podem começar a subir já no quarto trimestre de 2014 no Reino Unido e no primeiro semestre de 2015 nos EUA", disse ele em um comunicado. "Dado o tamanho do nosso superávit comercial, isso tem implicações positivas para a nossa receita."

Fonte: Valor Econômico

Notícias Relacionadas

Após repercussão das denúncias de assédio sexual, Pedro Guimarães pede demissão

Testemunhos das vítimas vieram a público na terça-feira (28) e assustam pela quantidade de casos e pelo grau de desrespeito e crueldade; Ministério Público investiga em sigilo O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, entregou seu pedido de demissão na tarde desta quarta-feira (29) ao presidente da república, Jair Bolsonaro. A decisão foi tomada […]

Leia mais

NOTA OFICIAL

NOTA OFICIAL Pelo imediato afastamento de Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, e o acolhimento e preservação das vítimas Nós, bancárias de todo o Brasil, manifestamos nossa indignação pelos atos de assédio sexual praticados por Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, que ganharam repercussão na noite de desta terça-feira, 28/06/2022, ao serem divulgados […]

Leia mais

Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul repudia ações de Pedro Guimarães, acusado de assédio sexual

Além de apuração das denúncias, representação dos empregados pede afastamento do presidente da Caixa Após se tornar pública a acusação de assédio sexual feita por diferentes empregadas da Caixa Econômica Federal ao presidente Pedro Duarte Guimarães, a Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul, se solidariza com as vítimas e manifesta […]

Leia mais

Sindicatos filiados