Lucro mundial do HSBC cai 5,4% e atinge US$ 9,46 bilhões no 1º semestre

04.08.2014

Associated Press O HSBC, um dos maiores bancos do mundo, advertiu que o crescimento frágil da economia global e as crescentes tensões geopolíticas vão impedi-lo de assumir maiores riscos de investimento. Em seu relatório de resultados, o HSBC informou que seu lucro líquido caiu 5,4%, para US$ 9,46 bilhões, no primeiro semestre do ano. O […]

Associated Press

O HSBC, um dos maiores bancos do mundo, advertiu que o crescimento frágil da economia global e as crescentes tensões geopolíticas vão impedi-lo de assumir maiores riscos de investimento.

Em seu relatório de resultados, o HSBC informou que seu lucro líquido caiu 5,4%, para US$ 9,46 bilhões, no primeiro semestre do ano. O banco, que obtém cerca de dois terços do seu lucro na Ásia e é observado de perto como um termômetro do crescimento na região, viu seu lucro antes do pagamento de impostos baixar 15%.

Os ganhos com a atividade de banco de investimento diminuíram globalmente em 12%, para pouco mais de US$ 5 bilhões.

O presidente da instituição, Douglas Flint, disse que as economias do mundo ainda estão se recuperando da crise econômica de 2008, e, portanto, ainda não é hora de arriscar.

"Em uma época de preocupações residuais sobre a sustentabilidade do crescimento econômico em muitos mercados importantes, e com as tensões geopolíticas, a diretoria apoia a visão da gerência que este não é o momento de elevar o apetite por risco para compensar o efeito das receitas mais baixas."

O HSBC, que tem operações em 74 países e territórios, também disse estar sendo desafiado pela crescente regulamentação e pelos custos de implementação das novas regras. Obrigações recentes incluem a execução de "vários testes de estresse muito fragmentados" que não são padronizados entre as principais jurisdições e, por isso, exigem retrabalho.

"As exigências colocadas agora sobre o capital humano da empresa e sobre nossas capacidades de sistemas operacionais não têm precedentes", disse Flint.

O banco disse ver o efeito do corte de custos implementado quando Stuart Gulliver assumiu o cargo de executivo-chefe, em 2011. Ele cortou dezenas de milhares de empregos e eliminou mais de 60 negócios não estratégicos.

Gulliver afirmou que o banco está mais forte agora e tem uma plataforma sólida para crescer. Acrescentou que o Reino Unido deve manter uma recuperação firme.

"Há indícios de que as taxas de juros podem começar a subir já no quarto trimestre de 2014 no Reino Unido e no primeiro semestre de 2015 nos EUA", disse ele em um comunicado. "Dado o tamanho do nosso superávit comercial, isso tem implicações positivas para a nossa receita."

Fonte: Valor Econômico

Notícias Relacionadas

Dirigentes da base da Feeb-SP/MS recebem segundo módulo do curso de formação da Contraf-CUT

Programa trata da estruturação histórica das organizações sindicais e da luta dos trabalhadores O Curso de Formação Sindical para Dirigentes, da Secretaria de Formação da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), estreia o seu segundo módulo nesta sexta-feira (17) e no sábado (18) para as bases da Federação dos Bancários de São Paulo […]

Leia mais

Bancários se preparam para Conferência Nacional da categoria

Consulta aos trabalhadores nas bases sindicais de todo o país e conferências estaduais e regionais servirão de subsídio para os debates nacionais que levarão à construção da pauta de reivindicações e da estratégia da Campanha Nacional 2024 Bancárias e bancários de todo o país se reúnem, em São Paulo, entre os dias 4 e 9 […]

Leia mais

Lucro da Caixa cresceu 49% no 1º trimestre de 2024

Com 1,56 milhão de novos clientes e 168 empregados a menos no quadro de pessoal, aumenta também a sobrecarga A Caixa Econômica Federal anunciou na noite de quarta-feira (15) um lucro líquido recorrente de R$ 2,88 bilhões no primeiro trimestre de 2024, alta de 49,1% em comparação ao mesmo período de 2023 e de 0,5% em relação […]

Leia mais

Sindicatos filiados