Luta das mulheres contra a desigualdade é tema de mesa com Fenaban

16.03.2021

Reunião discutiu conquistas da categoria como o canal de apoio às bancárias vítimas de violência Um ano após a aprovação do canal de atendimento às bancárias vítimas de violência, a mesa bipartite temática de Igualdade de Oportunidades fez uma avaliação da conquista. Nesse tempo, mais de 120 casos foram atendidos. Representantes da Comissão de Gênero, […]

Reunião discutiu conquistas da categoria como o canal de apoio às bancárias vítimas de violência

Um ano após a aprovação do canal de atendimento às bancárias vítimas de violência, a mesa bipartite temática de Igualdade de Oportunidades fez uma avaliação da conquista.

Nesse tempo, mais de 120 casos foram atendidos. Representantes da Comissão de Gênero, Raça, Orientação Sexual e Trabalhadores e Trabalhadoras com Deficiência (CGROS), do Coletivo de Mulheres do movimento sindical e da Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) se reuniram para discutir o canal e também outras pautas como a desigualdade salarial e os problemas de ascensão profissional para as mulheres.

Além do canal de atendimento, faz parte do acordo negociado com os bancos um programa de treinamento para os funcionários.

Quase um século
Outra parte do debate da mesa foi sobre cobranças feitas à Fenaban. Apesar das bancárias terem obtidos conquistas importantes ao longo de anos de luta da categoria, a desigualdade entre homens e mulheres ainda perdura. Estudo feito pelo Departamento Intersindical de Estudos e Estatísticas Socioeconômicas (Dieese) mostra que, no ritmo atual, as mulheres bancárias levarão 88 anos para que seus rendimentos se equiparem ao dos colegas homens.

No estudo, apresentado durante a reunião, está registrado que em 2003, a diferença da remuneração média entre homens e mulheres no setor bancários era de 26,08%. Em 2018, a diferença era menos, mas estava em 21,75% No mercado de trabalho brasileiro, a diferença é de 18%, menor do que no setor bancário.

Exclusão
A desigualdade também afeta as bancárias na ascensão profissional. O estudo do Dieese mostra que é maior a proporção de homens com mais de três promoções na carreira, de 31,7%, contra 19,9% das bancárias. Na reunião foi cobrado também mais informações sobre o aceso das mulheres aos novos empregos na área de tecnologia. No Itaú, por exemplo foram contratadas em 2020 cerca de 4 mil pessoas entre cientistas de dados, engenheiros e equipes de Tecnologia da Informação (TI).

Os representantes da Fenaban se comprometeram, na nova reunião da mesa de Igualdade de Oportunidades, a ser realizada ainda em março, a trazer esses dados.

O estudo do Dieese também mostra que as mulheres negras são as maiores vítimas da desigualdade. Em 2020, a taxa de desocupação das mulheres não negras era de 13,5%, enquanto que a das mulheres negras era de 19,8%. A mulher negra precisa trabalhar o dobro do tempo do que um homem branco para ter a mesma renda.

Pandemia
A pandemia também foi tema da reunião. Causa de vários problemas para as mulheres, a pandemia tem de ser combatida com isolamento social e a vacina. Por isso, o movimento sindical destacou a necessidade de lutar pela vacina já.

 

Notícias Relacionadas

Santander anuncia campanha de vacinação aos bancários do Santander

Bancários do Santander já podem se inscrever para a Campanha de Vacinação 2024 Funcionários do Santander já podem se inscrever para o programa de vacinação contra a gripe.  A iniciativa é aberta para todos e ocorre em conformidade com a pauta permanente do movimento sindical em prol da saúde dos trabalhadores. Conforme o comunicado enviado […]

Leia mais

Reestruturação Bradesco: Representantes dos empregados cobram compromisso com o emprego

Em reunião com representantes do Banco, COE cobra explicações sobre reestruturação anunciada A Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Bradesco se reuniu, na tarde de sexta-feira (1º), com a direção do banco para cobrar explicações sobre a reestruturação, anunciada pelo novo presidente do banco, Marcelo Noronha, no dia 7 de fevereiro, em entrevista coletiva, […]

Leia mais

Semana reforçou a conscientização sobre o combate às LER/Dort

A data chama atenção para duas doenças que têm relação direta com o trabalho e que atingem milhões de brasileiros Nesta semana, no dia 28 de fevereiro (última quarta-feira) foi o Dia Mundial de combate às Lesões por Esforços Repetitivos (LER) e Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (Dort). A data foi escolhida pela Organização Internacional […]

Leia mais

Sindicatos filiados