Manifestação exige segurança e garantia de emprego nas agências de negócios do Itaú

13.06.2014

O Sindicato dos Bancários de Campinas e Região coordenou na manhã desta quinta-feira, dia 12, manifestação em frente a agência de negócios Fórum do Itaú (Av. Francisco Glicério com Av. Campos Sales), em Campinas, para exigir segurança e garantia de emprego. O ato de protesto aconteceu no 30º dia de paralisação da agência de negócios […]

Foto: Júlio César Costa

O Sindicato dos Bancários de Campinas e Região coordenou na manhã desta quinta-feira, dia 12, manifestação em frente a agência de negócios Fórum do Itaú (Av. Francisco Glicério com Av. Campos Sales), em Campinas, para exigir segurança e garantia de emprego. O ato de protesto aconteceu no 30º dia de paralisação da agência de negócios Botafogo (Av. Barão de Itapura), deflagrada no dia 13 de maio passado depois que o Banco das famílias Setubal, Vilella e Salles decidiu retirar a porta de segurança com detector de metais e desativou o serviço de vigilante. Além da agência Botafogo, outras duas estão fechadas desde o dia 19 de maio: a agência de negócios Fórum, em Campinas, onde aconteceu a manifestação, e a Bernardino de Campos, em Itapira.

Durante a manifestação, os diretores do Sindicato distribuíram carta aberta à população, abordando a alta lucratividade do Itaú, as demissões, o adoecimento dos bancários em decorrência das metas abusivas e os juros e tarifas escorchantes cobrados dos clientes. Em 2013, o Itaú lucrou R$ 15,8 bilhões e, nos últimos 15 meses, fechou 3.500 postos de trabalho. E mais: no período de dezembro de 2011 a março deste ano, demitiu 11.402 bancários. Para ilustrar o atual quadro, a situação vivida pelos funcionários, os diretores distribuíram também fatias de abacaxi aos transeuntes.
Justiça obriga Itaú reativar serviço de segurança

A juíza Roberta Confetti Gastsios Amstalden, da 4ª Vara do Trabalho de Campinas, concedeu no dia 29 de maio último antecipação de tutela em ação ingressada pelo Sindicato, determinando que o Itaú reinstale porta de segurança com dispositivo detector de metais e reative o serviço de vigilantes na agência Botafogo no prazo de 20 dias. Em sua sentença, a juíza estabelece multa de R$ 50 mil por dia, a ser revertida ao Centro Corsini de Campinas, caso o Itaú descumpra a determinação no prazo estabelecido.

A decisão do Itaú em retirar porta de segurança das agências de negócios, sob o argumento que não circula dinheiro em espécie, desrespeita a lei municipal nº 7.605 (de 09/09/1993), em Campinas. E a suspensão do serviço de vigilante fere a lei federal nº 7.102, que trata da segurança em estabelecimentos financeiros e do serviço de vigilância. Isso porque o Itaú mantém nesse novo modelo de agências os caixas eletrônicos.

Jairo Gimenez – Sindicato de Campinas 

Notícias Relacionadas

Dirigentes da base da Feeb-SP/MS recebem segundo módulo do curso de formação da Contraf-CUT

Programa trata da estruturação histórica das organizações sindicais e da luta dos trabalhadores O Curso de Formação Sindical para Dirigentes, da Secretaria de Formação da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), estreia o seu segundo módulo nesta sexta-feira (17) e no sábado (18) para as bases da Federação dos Bancários de São Paulo […]

Leia mais

Bancários se preparam para Conferência Nacional da categoria

Consulta aos trabalhadores nas bases sindicais de todo o país e conferências estaduais e regionais servirão de subsídio para os debates nacionais que levarão à construção da pauta de reivindicações e da estratégia da Campanha Nacional 2024 Bancárias e bancários de todo o país se reúnem, em São Paulo, entre os dias 4 e 9 […]

Leia mais

Lucro da Caixa cresceu 49% no 1º trimestre de 2024

Com 1,56 milhão de novos clientes e 168 empregados a menos no quadro de pessoal, aumenta também a sobrecarga A Caixa Econômica Federal anunciou na noite de quarta-feira (15) um lucro líquido recorrente de R$ 2,88 bilhões no primeiro trimestre de 2024, alta de 49,1% em comparação ao mesmo período de 2023 e de 0,5% em relação […]

Leia mais

Sindicatos filiados