Movimento sindical cobra negociação sobre ferramenta “Minha Trajetória”da Caixa

18.09.2023

Mesmos problemas da antiga GDP são relatados pelos trabalhadores O movimento sindical intensificou na última sexta-feira (15), a cobrança por uma mesa de negociação com representantes da Caixa Econômica Federal para discutir sobre a ferramenta “Minha Trajetória”, utilizada para gerir o desempenho das empregadas e empregados do banco. De acordo com os trabalhadores, os mesmos […]

Mesmos problemas da antiga GDP são relatados pelos trabalhadores

O movimento sindical intensificou na última sexta-feira (15), a cobrança por uma mesa de negociação com representantes da Caixa Econômica Federal para discutir sobre a ferramenta “Minha Trajetória”, utilizada para gerir o desempenho das empregadas e empregados do banco.

De acordo com os trabalhadores, os mesmos problemas da antiga GDP se repetem com a nova ferramenta.

Em reunião ocorrida no dia 19 de julho, o banco garantiu que a nova ferramenta seria uma virada de página para corrigir os rumos que estavam estabelecidos na gestão de pessoas e que o objetivo era sanar problemas e orientar o desenvolvimento profissional dos empregados. Porém trabalhadores relatam que a ferramenta só mudou de nome e continua sendo o antigo GDP (programa de Gestão de Desempenho de Pessoas), com os mesmo erros e imposições aos trabalhadores.

A cobrança pela negociação foi feita via ofício que ressalta, que “a cartilha de ‘Sugestões – Objetivos SMART Rede Varejo’ é a individualização das metas do Conquiste na ferramenta ‘Minha Trajetória’. Para o movimento sindical, a ferramenta deve servir para desenvolver os trabalhadores e não cobrar metas.

O representante da FEEB SP/MS na CEE, Tesifon Quevedo Neto, destaca que a nova roupagem da velha GDP exige negociação. “Mas tem que ser negociação prévia e não encontros onde a Caixa apresenta decisões já tomadas. A mesa de negociação não foi conquistada pelo movimento para ser ouvinte e, sim, ser parte ativa no tratamento das demandas da base com a direção da Caixa”, conclui.

A representação dos trabalhadores também cobra que decisões do banco, para além da implantação de programas como o “Minha Trajetória”, sejam previamente negociadas com o movimento sindical.

Notícias Relacionadas

Dirigentes da base da Feeb-SP/MS recebem segundo módulo do curso de formação da Contraf-CUT

Programa trata da estruturação histórica das organizações sindicais e da luta dos trabalhadores O Curso de Formação Sindical para Dirigentes, da Secretaria de Formação da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), estreia o seu segundo módulo nesta sexta-feira (17) e no sábado (18) para as bases da Federação dos Bancários de São Paulo […]

Leia mais

Bancários se preparam para Conferência Nacional da categoria

Consulta aos trabalhadores nas bases sindicais de todo o país e conferências estaduais e regionais servirão de subsídio para os debates nacionais que levarão à construção da pauta de reivindicações e da estratégia da Campanha Nacional 2024 Bancárias e bancários de todo o país se reúnem, em São Paulo, entre os dias 4 e 9 […]

Leia mais

Lucro da Caixa cresceu 49% no 1º trimestre de 2024

Com 1,56 milhão de novos clientes e 168 empregados a menos no quadro de pessoal, aumenta também a sobrecarga A Caixa Econômica Federal anunciou na noite de quarta-feira (15) um lucro líquido recorrente de R$ 2,88 bilhões no primeiro trimestre de 2024, alta de 49,1% em comparação ao mesmo período de 2023 e de 0,5% em relação […]

Leia mais

Sindicatos filiados