No Brasil, Citi fechará 14 das 198 agências

06.12.2012

Por Carolina Mandl | De São Paulo O anúncio de reestruturação do Citi trouxe a informação de que 14 das 198 agências e lojas do grupo serão fechadas no Brasil. Em busca da redução de custos, o Citi vai demitir 11 mil pessoas globalmente. Em comunicado divulgado nos Estados Unidos, o Citi afirma que terá […]

Por Carolina Mandl | De São Paulo

O anúncio de reestruturação do Citi trouxe a informação de que 14 das 198 agências e lojas do grupo serão fechadas no Brasil. Em busca da redução de custos, o Citi vai demitir 11 mil pessoas globalmente.

Em comunicado divulgado nos Estados Unidos, o Citi afirma que terá como foco 150 cidades com maior potencial de consumo de produtos bancários, concentrando-se em áreas metropolitanas.

No Brasil, o banco afirmou em nota que "o país continua sendo um dos mercados prioritários para o negócio do Citi". "Estamos otimistas em relação às oportunidades futuras e vamos manter nosso objetivo de ser o banco de escolha no segmento premium do varejo no Brasil", informou a instituição.

Procurado pela reportagem, o banco não concedeu entrevista. Em Brasília, Hélio Magalhães, presidente do Citi Brasil, se reuniu ontem com a ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann. A pauta do encontro não foi divulgada.

A grande dúvida que se abre no Brasil é em relação à unidade de crédito ao consumo, que inclui a Credicard. Isso porque mundo afora é justamente no segmento de empréstimos para pessoas físicas que a reestruturação terá um de seus principais focos. O Brasil não é citado na mensagem do banco entre os países cujas atividades serão vendidas ou reduzidas, o que acontecerá no Paraguai, Paquistão, Romênia, Turquia e Uruguai.

O Citi Brasil acumula neste ano lucro líquido de R$ 504,2 milhões, até setembro. É um resultado bastante inferior ao R$ 1,269 bilhão de igual período do ano passado.

O principal motivo para a redução do resultado no Brasil foi relacionado ao diferimento de impostos. Enquanto nos nove primeiros meses de 2011 o banco obteve receita de R$ 767,1 milhões nessa linha do balanço, neste ano teve despesa de R$ 83,2 milhões.

Fonte: Valor Econômico

Notícias Relacionadas

Dirigentes da base da Feeb-SP/MS recebem segundo módulo do curso de formação da Contraf-CUT

Programa trata da estruturação histórica das organizações sindicais e da luta dos trabalhadores O Curso de Formação Sindical para Dirigentes, da Secretaria de Formação da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), estreia o seu segundo módulo nesta sexta-feira (17) e no sábado (18) para as bases da Federação dos Bancários de São Paulo […]

Leia mais

Bancários se preparam para Conferência Nacional da categoria

Consulta aos trabalhadores nas bases sindicais de todo o país e conferências estaduais e regionais servirão de subsídio para os debates nacionais que levarão à construção da pauta de reivindicações e da estratégia da Campanha Nacional 2024 Bancárias e bancários de todo o país se reúnem, em São Paulo, entre os dias 4 e 9 […]

Leia mais

Lucro da Caixa cresceu 49% no 1º trimestre de 2024

Com 1,56 milhão de novos clientes e 168 empregados a menos no quadro de pessoal, aumenta também a sobrecarga A Caixa Econômica Federal anunciou na noite de quarta-feira (15) um lucro líquido recorrente de R$ 2,88 bilhões no primeiro trimestre de 2024, alta de 49,1% em comparação ao mesmo período de 2023 e de 0,5% em relação […]

Leia mais

Sindicatos filiados