Novas normas dão aos bancos folga de capital

21.05.2013

Os bancos brasileiros estão com maior folga de recursos próprios segundo as regras de exigência de capital do acordo de Basileia 3. Em grande parte, isso aconteceu graças a mudanças de normas adotadas pelo Banco Central neste ano. Em março, o BC anunciou que passaria a exigir menos capital dos bancos para operações de crédito […]

Os bancos brasileiros estão com maior folga de recursos próprios segundo as regras de exigência de capital do acordo de Basileia 3. Em grande parte, isso aconteceu graças a mudanças de normas adotadas pelo Banco Central neste ano. Em março, o BC anunciou que passaria a exigir menos capital dos bancos para operações de crédito imobiliário, consignado e financiamento a grandes empresas.

Segundo dados do BC, os bancos do sistema financeiro encerraram o primeiro trimestre do ano com índice de Basileia de 17,07%. Sem as novas regras, ficariam em 16,43%. Na prática, isso significa que os bancos ganharam neste começo de ano mais espaço no balanço para emprestar.

A recalibragem da exigência de capital se deve à constatação de que essas modalidades apresentam inadimplência mais baixa que a média. Diante do risco historicamente menor, o BC se sentiu confortável para reduzir o requerimento de recursos próprios dos bancos.

Os estudos do BC também levaram em conta as recomendações do Comitê de Basileia. Mesmo assim, nas três modalidades de crédito o padrão brasileiro ainda permaneceu mais conservador que a exigência de capital mínima permitida pelas regras do acordo.

Dos cinco maiores bancos do país, quatro encerraram março com índice de Basileia mais robusto que em dezembro: Banco do Brasil, Itaú Unibanco, Santander e Caixa Econômica Federal. Só o Bradesco não apresentou esse comportamento, segundo o banco por causa do crescimento da parcela de risco de operações de mercado.

Dona da maior carteira de crédito imobiliário do país, com R$ 220,2 bilhões, a Caixa chegou a março com índice de Basileia de 14,2%, valor 1,2 ponto percentual maior que em dezembro. A Caixa ganhou uma folga de R$ 3,538 bilhões no patrimônio de referência exigido pelo BC de dezembro a março, mesmo período em que o estoque de crédito do banco cresceu 8,1%, para R$ 390,6 bilhões.

O Banco do Brasil, que tem o maior estoque de crédito consignado entre os bancos, além de um volume considerável de empréstimos a grandes empresas, ganhou 1,5 ponto percentual no índice de Basileia, que atingiu 16,3% no fim de março. O BB também emitiu dívidas contabilizadas como capital.

Fonte: Valor Econômico 

Notícias Relacionadas

CEBB negocia com o banco cláusulas econômicas e representação sindical

Ao término da negociação, bancários leram manifesto pela democracia Bancários do Banco do Brasil se reuniram nesta sexta-feira (12) com o banco para mais uma negociação da Campanha Nacional dos Bancários 2022, que tem por objetivo a renovação do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) específico dos trabalhadores do Banco do Brasil e do aditivo à […]

Leia mais

Federação dos Bancários orienta Sindicatos para realização de lives na próxima semana

Objetivo é promover o dialogo com a categoria e fortalecer pautas de luta na Campanha Nacional Conforme orientação do Comando Nacional, todo o movimento sindical deve dialogar com a categoria na próxima semana. A Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul, reforça o pedido para os seus 23 sindicatos filiados, para […]

Leia mais

Negociações entre COE Santander e banco avançam

Esforço dos sindicatos foi fundamental para o avanço de pautas especificas para mulheres Nesta sexta-feira (12), representantes da Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Santander se reuniu com o banco para dar continuidade às negociações da Campanha Nacional dos Bancários 2022, que tem por objetivo a renovação do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) específico […]

Leia mais

Sindicatos filiados