Novas normas dão aos bancos folga de capital

21.05.2013

Os bancos brasileiros estão com maior folga de recursos próprios segundo as regras de exigência de capital do acordo de Basileia 3. Em grande parte, isso aconteceu graças a mudanças de normas adotadas pelo Banco Central neste ano. Em março, o BC anunciou que passaria a exigir menos capital dos bancos para operações de crédito […]

Os bancos brasileiros estão com maior folga de recursos próprios segundo as regras de exigência de capital do acordo de Basileia 3. Em grande parte, isso aconteceu graças a mudanças de normas adotadas pelo Banco Central neste ano. Em março, o BC anunciou que passaria a exigir menos capital dos bancos para operações de crédito imobiliário, consignado e financiamento a grandes empresas.

Segundo dados do BC, os bancos do sistema financeiro encerraram o primeiro trimestre do ano com índice de Basileia de 17,07%. Sem as novas regras, ficariam em 16,43%. Na prática, isso significa que os bancos ganharam neste começo de ano mais espaço no balanço para emprestar.

A recalibragem da exigência de capital se deve à constatação de que essas modalidades apresentam inadimplência mais baixa que a média. Diante do risco historicamente menor, o BC se sentiu confortável para reduzir o requerimento de recursos próprios dos bancos.

Os estudos do BC também levaram em conta as recomendações do Comitê de Basileia. Mesmo assim, nas três modalidades de crédito o padrão brasileiro ainda permaneceu mais conservador que a exigência de capital mínima permitida pelas regras do acordo.

Dos cinco maiores bancos do país, quatro encerraram março com índice de Basileia mais robusto que em dezembro: Banco do Brasil, Itaú Unibanco, Santander e Caixa Econômica Federal. Só o Bradesco não apresentou esse comportamento, segundo o banco por causa do crescimento da parcela de risco de operações de mercado.

Dona da maior carteira de crédito imobiliário do país, com R$ 220,2 bilhões, a Caixa chegou a março com índice de Basileia de 14,2%, valor 1,2 ponto percentual maior que em dezembro. A Caixa ganhou uma folga de R$ 3,538 bilhões no patrimônio de referência exigido pelo BC de dezembro a março, mesmo período em que o estoque de crédito do banco cresceu 8,1%, para R$ 390,6 bilhões.

O Banco do Brasil, que tem o maior estoque de crédito consignado entre os bancos, além de um volume considerável de empréstimos a grandes empresas, ganhou 1,5 ponto percentual no índice de Basileia, que atingiu 16,3% no fim de março. O BB também emitiu dívidas contabilizadas como capital.

Fonte: Valor Econômico 

Notícias Relacionadas

Trabalhadores do Itaú entregam pauta específica de reivindicações no dia 25

Documento é resultado do encontro nacional, realizado em São Paulo, no dia 6 de junho A Comissão de Organização dos Empregados (COE) vai entregar a minuta específica de reivindicações ao Itaú na próxima terça-feira (25). O documento servirá de base para a renovação do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) específico do banco. As reivindicações foram […]

Leia mais

Intransigência da Caixa encerra negociações sobre redução de jornada para pais/mães e responsáveis por PcD e neurodivergentes (TEA)

Banco retira da proposta a concessão para empregados PcD, impõe uma série de travas para permitir a redução da jornada para pais/mães/responsáveis de PcD e encerra mesa de negociações após receber questionamentos sobre pontos sensíveis da proposta A reunião que negociaria a redução de jornada para empregadas e empregados da Caixa Econômica Federal com deficiência […]

Leia mais

Caixa afirma que contencioso é insignificante, mas dados disponíveis demonstram o oposto

Fonte: APCEF/SP com informações da Fenae Em uma live realizada nesta terça-feira (18), a Funcef (Fundação dos Economiários Federais) e a Caixa anunciaram que estão abordando o contencioso trabalhista. Segundo Leonardo Groba, diretor jurídico da Caixa, o contencioso atual estaria estimado em cerca de R$ 500 milhões, “não tem grandes proporções, mas a Caixa possui […]

Leia mais

Sindicatos filiados