Para analistas, pacote de crédito do governo federal é inócuo

29.01.2016

As medidas de estímulo ao crédito terão efeito limitado na atividade econômica, segundo especialistas. Para eles, só a resolução de problemas macroeconômicos, como o fiscal, poderá começar a tirar o país da recessão. Segundo economistas, o pacote anunciado nesta quinta (28) pelo governo é inócuo porque a demanda por crédito é muito baixa no país […]

As medidas de estímulo ao crédito terão efeito limitado na atividade econômica, segundo especialistas. Para eles, só a resolução de problemas macroeconômicos, como o fiscal, poderá começar a tirar o país da recessão.

Segundo economistas, o pacote anunciado nesta quinta (28) pelo governo é inócuo porque a demanda por crédito é muito baixa no país – reflexo do cenário de baixa confiança, alto grau de incertezas, juros altos, desemprego em alta e renda em queda.

“Qualquer política pública fica com a eficácia comprometida quando a macroeconomia está bagunçada. É difícil demandar crédito quando não se sabe para onde vão o câmbio e a taxa de juros”, diz Zeina Latif, economista-chefe da XP Investimentos.

Para ela, há problemas pontuais no crédito: algumas empresas enfrentam problemas de liquidez e a oferta de empréstimos está menor, pois os bancos ficaram mais conservadores na liberação de financiamentos. “Mas a arrumação da macroeconomia é precondição para dar eficácia a essas medidas”, diz.

“Do lado da oferta, o governo pode subsidiar taxas e liberar garantias, como aparentemente ele está fazendo com parte do FGTS. Mas, mesmo assim, quem quer aumentar sua dívida com a incerteza que existe?”, diz o economista José Francisco de Lima Gonçalves, do Banco Fator.

“A ideia de levar o cavalo para beber à beira do lago não funciona quando o cavalo não deseja beber água”, afirma Sergio Vale, economista-chefe da MB Associados, numa analogia à declaração do ministro Nelson Barbosa (Fazenda), que disse em Davos, na Suíça, que levaria o “cavalo para beber água”.

Ele avalia que o pacote é uma reedição da “nova matriz econômica, com medidas de oferta de crédito feitas à exaustão no primeiro mandato da presidente Dilma e que não deram certo”.

Já Octávio de Barros, economista-chefe do Bradesco, não vê sinais de retrocesso. “É meritório o esforço de se reverter a crise de confiança. Não vejo qualquer impacto negativo no plano fiscal”, diz.

Apesar de avaliar que o pacote pode aumentar a segurança na concessão do crédito, sobretudo do consignado, ele afirma que o alcance das medidas é relativamente limitado. “Só a retomada da confiança impulsionará a demanda por crédito.”

O diretor de pesquisa econômica da GO Associados, Fábio Silveira, também reconhece a intenção do governo em dar uma resposta rápida à crise. “Mas não podemos nos iludir. O efeito do pacote é restrito”, completa.

Ele compara o volume que será injetado pelo governo na economia com as novas medidas, de R$ 83 bilhões, ao estoque de crédito ao consumidor, de cerca de R$ 800 bilhões. “Para as exportadoras, por exemplo, foram anunciados R$ 4 bilhões em crédito, mas o país exporta mais de US$ 200 bilhões por ano.”

OUTRA AGENDA

O economista ressalta a necessidade de medidas estruturantes, como a reforma da Previdência ou redução da carga tributária, para o país retomar a competitividade.

Zeina Latif, da XP, também diz que gostaria de ver o governo mais empenhado em resolver problemas mais complexos, como a redução do “spread bancário” ou a queda da carga tributária.

Ela também teme que o foco da atual equipe econômica –o estímulo ao crescimento– enfraqueça a discussão envolvendo o ajuste fiscal.

INFLAÇÃO

Para a maioria dos economistas consultados, a expansão do crédito não deve pressionar a inflação porque a demanda por bens e serviços é baixa.

“Precisamos recuperar o consumo, e isso não significa aumento de pressão de demanda [sobre os preços]. Temos muita capacidade ociosa no Brasil”, afirma.

O economista do Bradesco concorda que a crise ajuda a afastar o risco inflacionário. “A inflação e as expectativas serão ancoradas pela própria brutalidade da recessão”, diz.

O economista da MB, no entanto, avalia que as medidas de estímulo ao crédito e a postura mais expansionista adotada pelo Banco Central desde a semana passada apontam pressão inflacionária.

“Veremos revisões sistemáticas do IPCA no Boletim Focus ao longo do ano.”

Fonte: Folha de S. Paulo

Leia também

“Uso do FGTS como garantia para consignado é um absurdo e só serve para resolver o problema dos bancos”, avalia Davi Zaia

 

Notícias Relacionadas

Proposta sobre Teletrabalho vai avançar

Reivindicações da categoria avançam nas negociações sobre trabalho remoto, mas Comando dos Bancários cobra agilidade na resposta sobre a proposta global A proposta da categoria bancária para o trabalho remoto avançou nas negociações realizadas na tarde desta quinta-feira (11) com a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban). “Tivemos evolução no Teletrabalho que se torna cláusula da […]

Leia mais

Caixa se nega a criar GT para discutir contencioso da Funcef

Banco avalia que o tema já é tratado pela própria fundação de previdência dos trabalhadores Em reunião de negociações da Campanha Nacional dos Bancários 2022, realizada nesta quarta-feira (10), com a Comissão Executiva dos Empregados (CEE), a Caixa Econômica Federação se negou a atender a reivindicação para que seja criado um grupo de trabalho (GT) […]

Leia mais

Atos pela democracia ocorrem em todo o País e reafirmam o compromisso contra o autoritarismo

Data de 11 de agosto marca a leitura de um manifesto contra ditadura militar em 1977 Brasileiros de inúmeras regiões do País realizaram nesta quinta-feira (11), atos em defesa do estado democrático de direito. Milhares de entidades representativas foram às ruas manifestar a defesa pela garantia da democracia e do sistema eleitoral eletrônico. A data […]

Leia mais

Sindicatos filiados