Para analistas, pacote de crédito do governo federal é inócuo

29.01.2016

As medidas de estímulo ao crédito terão efeito limitado na atividade econômica, segundo especialistas. Para eles, só a resolução de problemas macroeconômicos, como o fiscal, poderá começar a tirar o país da recessão. Segundo economistas, o pacote anunciado nesta quinta (28) pelo governo é inócuo porque a demanda por crédito é muito baixa no país […]

As medidas de estímulo ao crédito terão efeito limitado na atividade econômica, segundo especialistas. Para eles, só a resolução de problemas macroeconômicos, como o fiscal, poderá começar a tirar o país da recessão.

Segundo economistas, o pacote anunciado nesta quinta (28) pelo governo é inócuo porque a demanda por crédito é muito baixa no país – reflexo do cenário de baixa confiança, alto grau de incertezas, juros altos, desemprego em alta e renda em queda.

“Qualquer política pública fica com a eficácia comprometida quando a macroeconomia está bagunçada. É difícil demandar crédito quando não se sabe para onde vão o câmbio e a taxa de juros”, diz Zeina Latif, economista-chefe da XP Investimentos.

Para ela, há problemas pontuais no crédito: algumas empresas enfrentam problemas de liquidez e a oferta de empréstimos está menor, pois os bancos ficaram mais conservadores na liberação de financiamentos. “Mas a arrumação da macroeconomia é precondição para dar eficácia a essas medidas”, diz.

“Do lado da oferta, o governo pode subsidiar taxas e liberar garantias, como aparentemente ele está fazendo com parte do FGTS. Mas, mesmo assim, quem quer aumentar sua dívida com a incerteza que existe?”, diz o economista José Francisco de Lima Gonçalves, do Banco Fator.

“A ideia de levar o cavalo para beber à beira do lago não funciona quando o cavalo não deseja beber água”, afirma Sergio Vale, economista-chefe da MB Associados, numa analogia à declaração do ministro Nelson Barbosa (Fazenda), que disse em Davos, na Suíça, que levaria o “cavalo para beber água”.

Ele avalia que o pacote é uma reedição da “nova matriz econômica, com medidas de oferta de crédito feitas à exaustão no primeiro mandato da presidente Dilma e que não deram certo”.

Já Octávio de Barros, economista-chefe do Bradesco, não vê sinais de retrocesso. “É meritório o esforço de se reverter a crise de confiança. Não vejo qualquer impacto negativo no plano fiscal”, diz.

Apesar de avaliar que o pacote pode aumentar a segurança na concessão do crédito, sobretudo do consignado, ele afirma que o alcance das medidas é relativamente limitado. “Só a retomada da confiança impulsionará a demanda por crédito.”

O diretor de pesquisa econômica da GO Associados, Fábio Silveira, também reconhece a intenção do governo em dar uma resposta rápida à crise. “Mas não podemos nos iludir. O efeito do pacote é restrito”, completa.

Ele compara o volume que será injetado pelo governo na economia com as novas medidas, de R$ 83 bilhões, ao estoque de crédito ao consumidor, de cerca de R$ 800 bilhões. “Para as exportadoras, por exemplo, foram anunciados R$ 4 bilhões em crédito, mas o país exporta mais de US$ 200 bilhões por ano.”

OUTRA AGENDA

O economista ressalta a necessidade de medidas estruturantes, como a reforma da Previdência ou redução da carga tributária, para o país retomar a competitividade.

Zeina Latif, da XP, também diz que gostaria de ver o governo mais empenhado em resolver problemas mais complexos, como a redução do “spread bancário” ou a queda da carga tributária.

Ela também teme que o foco da atual equipe econômica –o estímulo ao crescimento– enfraqueça a discussão envolvendo o ajuste fiscal.

INFLAÇÃO

Para a maioria dos economistas consultados, a expansão do crédito não deve pressionar a inflação porque a demanda por bens e serviços é baixa.

“Precisamos recuperar o consumo, e isso não significa aumento de pressão de demanda [sobre os preços]. Temos muita capacidade ociosa no Brasil”, afirma.

O economista do Bradesco concorda que a crise ajuda a afastar o risco inflacionário. “A inflação e as expectativas serão ancoradas pela própria brutalidade da recessão”, diz.

O economista da MB, no entanto, avalia que as medidas de estímulo ao crédito e a postura mais expansionista adotada pelo Banco Central desde a semana passada apontam pressão inflacionária.

“Veremos revisões sistemáticas do IPCA no Boletim Focus ao longo do ano.”

Fonte: Folha de S. Paulo

Leia também

“Uso do FGTS como garantia para consignado é um absurdo e só serve para resolver o problema dos bancos”, avalia Davi Zaia

 

Notícias Relacionadas

Bancários do Santander realizam Dia de Luta

Protestos ocorreram presencialmente nas agências e pela internet Bancários do Santander, mobilizados pela Comissão de Organização dos Empregados (COE), realizaram nesta terça-feira (06), um Dia de Luta em protesto às decisões do banco espanhol, entre elas, a terceirização, a perda de direitos e mais recentemente a compensação de horas não trabalhadas nos dias dos jogos […]

Leia mais

EDITAL 2022 – CONSELHO DE REPRESENTANTES

Clique no link abaixo e veja o edital de conselho de representantes 2022. EDITAL 2022 CONSELHO DE REPRESENTANTES (2)

Leia mais

Dia Mundial de Combate à Aids

O dia 1º de dezembro é o Dia Mundial  de Combate à Aids. A data foi escolhida pela Organização Mundial de Saúde e é celebrada anualmente desde 1988 no Brasil, um ano após a Assembleia Mundial de Saúde que fixou a data de comemoração. O objetivo da data é conscientizar as pessoas para o problema, acabar […]

Leia mais

Sindicatos filiados