Posses de novos ministros apontam país para perspectiva de capacidade administrativa

05.01.2023

Opinião Voltando de Brasília. Participei da posse de Geraldo Alckmin e da Simone Tebet como ministros do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC) e Planejamento e Orçamento. Interessante notar toda a expectativa em relação ao novo governo. Os desafios são enormes. Alckmin de maneira muito clara apontou a necessidade de uma reindustrialização do Brasil. A […]

Opinião

Voltando de Brasília. Participei da posse de Geraldo Alckmin e da Simone Tebet como ministros do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC) e Planejamento e Orçamento.

Interessante notar toda a expectativa em relação ao novo governo. Os desafios são enormes. Alckmin de maneira muito clara apontou a necessidade de uma reindustrialização do Brasil. A indústria tem perdido peso no Produto Interno Bruto (PIB) nacional nos últimos anos. As razões são muitas, e não será tarefa fácil superar esta situação. Mas é imperativo que isso seja feito, e foi muito importante esta questão ter sido colocada como prioridade do ministério. Tem a ver com competitividade, financiamento, regulação, infraestrutura, reforma tributária e busca de novos mercados no comércio internacional.

Já Simone Tebet destacou a necessidade do planejamento e de pensar o país para os próximos 30 anos. Fala que foi reforçada pelo ministro da Casa Civil, Rui Costa. Tebet fez questão de destacar que foi indicada para um ministério que envolve diretamente as questões econômicas, área onde ela tem divergências com o PT. Mas, segundo a ministra este foi o objetivo de Lula. Fomentar o debate, com Haddad na Fazenda, Tebet no Planejamento, Alckmin no Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços e Esther Dweck na Gestão e Inovação.

Com a posse de hoje (05),  todos os ministros estão empossados, e amanhã o presidente faz a primeira reunião par alinhar o funcionamento do governo.

Saio de Brasília com a impressão de que apesar dos enormes desafios e do intenso debate sobre os melhores caminhos para resolver os mesmos, o governo tem, em postos decisivos, ministros com grande experiência administrativa e de gestão da coisa pública, pois já passaram por governos dos estados e prefeituras. O que aponta para uma perspectiva de capacidade administrativa fundamental para fazer a máquina rodar e apresentar rapidamente soluções para os desafios mais imediatos.

De nossa parte teremos que estar cada vez mais preparados para participar destes debates e contribuir com as soluções necessárias.

Vamos à luta.

David Zaia,

Presidente da Federação dos Bancários dos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul.

Notícias Relacionadas

Itaú: Feeb SP/MS participa de manifestações contra o Assédio, Adoecimento e Demissões

Nesta quinta-feira (07), agências do Itaú em todo o país foram palco de manifestações realizadas por sindicatos dos bancários. O Objetivo foi levar ao conhecimento público as demissões em massa, fechamento de agências e cobranças abusivas de metas realizadas pelo Itaú. Reginaldo Breda, secretário geral da Federação dos Bancários dos Estados de São Paulo e […]

Leia mais

Aprovado Aditivo ao Acordo Coletivo de Trabalho do Saúde Caixa com Maioria dos Votos dos Sindicatos

Empregados ativos, aposentados e pensionistas titulares do Saúde Caixa tiveram uma decisão importante na última terça-feira (5), em assembleias organizadas por sindicatos bancários de todo o Brasil. O aditivo ao Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) do plano de saúde foi aprovado por 73,6% dos sindicatos que participaram. No cômputo geral, 51,6% dos votantes se posicionaram […]

Leia mais

BB: Justiça confirma liminar que impede extinção e mantém pagamento da função de caixa

Vitória do movimento sindical: Justiça avalia como ilegal alteração na forma de remuneração dos caixas A juíza Audrey Choucair Vaz, da 16ª Vara do Trabalho de Brasília, confirmou a liminar que impede o Banco do Brasil de extinguir a função de caixa. A decisão mantém o pagamento de gratificação e sua incorporação aos salários para […]

Leia mais

Sindicatos filiados