Poupança fecha janeiro com captação líquida de R$ 2,3 bilhões

06.02.2013

BRASÍLIA – Os depósitos superaram os saques na caderneta de poupança em R$ 2,3 bilhões em janeiro, segundo dados publicados nesta quarta-feira pelo Banco Central (BC). A captação líquida do mês passado ficou abaixo dos R$ 9,205 bilhões de dezembro, mas está bem acima do resultado registrado em janeiro de 2012, quando os saques superaram […]

BRASÍLIA – Os depósitos superaram os saques na caderneta de poupança em R$ 2,3 bilhões em janeiro, segundo dados publicados nesta quarta-feira pelo Banco Central (BC).

A captação líquida do mês passado ficou abaixo dos R$ 9,205 bilhões de dezembro, mas está bem acima do resultado registrado em janeiro de 2012, quando os saques superaram os depósitos em R$ 2,838 milhões. É o maior resultado para janeiro desde 2010, quando a captação foi positiva em R$ 2,619 bilhões. O recorde positivo para o primeiro mês do ano foi apurado em 1997 (R$ 3,512 bilhões).

As instituições financeiras que aplicam os recursos da caderneta em crédito imobiliário tiveram em janeiro resultado de R$ 983,995 milhões. Já a captação líquida dos bancos que destinam dinheiro ao crédito rural ficou positiva em R$ 1,316 bilhão.

Considerando os rendimentos de R$ 2,233 bilhões em janeiro, as cadernetas alcançaram um saldo de patrimônio total no primeiro mês do ano de R$ 500,835 bilhões.

Em maio do ano passado, o governo atrelou os juros da caderneta à taxa básica de juro (Selic) para evitar que outras aplicações financeiras de renda fixa perdessem atratividade frente à poupança em função da queda do juro básico.

Os recursos depositados a partir de 4 de maio de 2012 rendem o equivalente a 70% da Selic mais Taxa Referencial (atualmente zerada). Com a Selic em 7,25% ao ano, isso equivale a rendimento de 5,075% ao ano ou 0,4134% ao mês. Mesmo que a Selic mude ao longo do período mensal considerado, a taxa aplicável é a vigente na data em que se deposita, ou seja, a do início do período. Para depósitos anteriores a 3 de maio do ano passado, a remuneração continua sendo de 6,17% ao ano mais TR, o que representa 0,5% ao mês.

Fonte: Murilo Rodrigues Alves | Valor Econômico

Notícias Relacionadas

CEBB negocia com o banco cláusulas econômicas e representação sindical

Ao término da negociação, bancários leram manifesto pela democracia Bancários do Banco do Brasil se reuniram nesta sexta-feira (12) com o banco para mais uma negociação da Campanha Nacional dos Bancários 2022, que tem por objetivo a renovação do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) específico dos trabalhadores do Banco do Brasil e do aditivo à […]

Leia mais

Federação dos Bancários orienta Sindicatos para realização de lives na próxima semana

Objetivo é promover o dialogo com a categoria e fortalecer pautas de luta na Campanha Nacional Conforme orientação do Comando Nacional, todo o movimento sindical deve dialogar com a categoria na próxima semana. A Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul, reforça o pedido para os seus 23 sindicatos filiados, para […]

Leia mais

Negociações entre COE Santander e banco avançam

Esforço dos sindicatos foi fundamental para o avanço de pautas especificas para mulheres Nesta sexta-feira (12), representantes da Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Santander se reuniu com o banco para dar continuidade às negociações da Campanha Nacional dos Bancários 2022, que tem por objetivo a renovação do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) específico […]

Leia mais

Sindicatos filiados