Processo contra o BANCO DO BRASIL S.A.

21.11.2012

O Banco do Brasil pode ser condenado a ressarcir em dobro os valores pagos pelos clientes a título de "tarifa de transferência de pontos" do cartão de crédito para companhias aéreas parceiras. Além disso, poderá ter que pagar uma indenização de R$ 14 milhões ao Fundo de Defesa do Consumidor por danos morais coletivos. A […]

O Banco do Brasil pode ser condenado a ressarcir em dobro os valores pagos pelos clientes a título de "tarifa de transferência de pontos" do cartão de crédito para companhias aéreas parceiras. Além disso, poderá ter que pagar uma indenização de R$ 14 milhões ao Fundo de Defesa do Consumidor por danos morais coletivos.

A 4ª Promotoria de Justiça de Defesa do Consumidor iniciou ontem uma ação civil pública contra o BB, alegando que, entre junho de 2009 e junho de 2011, os clientes tinham de pagar R$ 20 por operação. Segundo o Ministério Público, a cobrança foi imposta unilateralmente pelo banco e incidiu, inclusive, sobre pontos gerados por negócios firmados antes da instituição da tarifa. O banco informou ao Correio que não iria se manifestar porque não tinha sido ainda citado.


Vários consumidores questionaram a legalidade da tarifa em sites de reclamação. Além disso, segundo os procuradores, mais de 457 mil clientes já possuíam pontos no Ourocard antes de 15 de junho 2009 e poderiam sofrer o ônus caso decidissem transferi-los. O Código de Defesa do Consumidor torna nulas cláusulas contratuais que autorizem o fornecedor a modificar unilateralmente o conteúdo do contrato após a sua celebração. (VC)

O Banco Central aprovou o aumento de sete para oito do número de membros do Conselho de Administração do Banco do Brasil. A mudança havia sido decidida pelos acionistas do BB em assembleia realizada em 19 de setembro. Com isso, o Ministério da Fazenda passará a ter três representantes no colegiado. Além disso, o presidente do BB não exercerá mais a função de vice-presidente do conselho. Nesse caso, a medida atendeu a recomendação da Comissão Interministerial de Governança Corporativa e de Administração de Participações Societárias da União (CGPAR) para evitar concentração de poderes.

Fonte: Correio Braziliense 

Notícias Relacionadas

Após repercussão das denúncias de assédio sexual, Pedro Guimarães pede demissão

Testemunhos das vítimas vieram a público na terça-feira (28) e assustam pela quantidade de casos e pelo grau de desrespeito e crueldade; Ministério Público investiga em sigilo O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, entregou seu pedido de demissão na tarde desta quarta-feira (29) ao presidente da república, Jair Bolsonaro. A decisão foi tomada […]

Leia mais

NOTA OFICIAL

NOTA OFICIAL Pelo imediato afastamento de Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, e o acolhimento e preservação das vítimas Nós, bancárias de todo o Brasil, manifestamos nossa indignação pelos atos de assédio sexual praticados por Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, que ganharam repercussão na noite de desta terça-feira, 28/06/2022, ao serem divulgados […]

Leia mais

Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul repudia ações de Pedro Guimarães, acusado de assédio sexual

Além de apuração das denúncias, representação dos empregados pede afastamento do presidente da Caixa Após se tornar pública a acusação de assédio sexual feita por diferentes empregadas da Caixa Econômica Federal ao presidente Pedro Duarte Guimarães, a Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul, se solidariza com as vítimas e manifesta […]

Leia mais

Sindicatos filiados