“Proposta global só dia 22”, diz Fenaban

09.10.2020

  A Fenaban encerrou a primeira etapa das rodadas de negociações agendadas há um mês com o Comando Nacional dos Bancários sem atender nenhuma das reivindicações da categoria. A quarta rodada foi encerrada na tarde desta quinta-feira, 16, quando os bancos mantiveram a intransigência adotada no dia de ontem e nos encontros anteriores, negando todas […]

 
A Fenaban encerrou a primeira etapa das rodadas de negociações agendadas há um mês com o Comando Nacional dos Bancários sem atender nenhuma das reivindicações da categoria. A quarta rodada foi encerrada na tarde desta quinta-feira, 16, quando os bancos mantiveram a intransigência adotada no dia de ontem e nos encontros anteriores, negando todas as propostas apresentadas. A Fenaban se comprometeu a apresentar uma “proposta global” no dia 22. Na véspera os bancários realizam Dia Nacional de Luta em todo o país.
O Comando Nacional deixou claro que para os bancários “proposta global” tem que ter aumento real de salário, PLR de 3 salários mais R$ 4 mil, valorização do piso, garantia de emprego, segurança, combate ao assédio moral e às metas abusivas. Se no dia 22 não houver avanços econômicos e sociais na proposta a categoria poderá deflagrar greve.

 A cada rodada os bancos questionam na mesa de negociação os números que os sindicatos divulgam a respeito da lucratividade e da rentabilidade sobre o patrimônio líquido dos bancos. “Só nos resta reafirmar a cada dia esses números, pois a remuneração precisa crescer como cresce o lucro. Mas na realidade, acontece o contrário, o peso da remuneração tem diminuído em relação às receitas”, afirma Aparecido Roveroni, diretor da Feeb SP MS no Comando Nacional. “Os números incomodam os bancos porque eles comprovam como é possível pagar um índice de 11% de reajuste, com aumento real, melhorar a PLR, pagar um salário mínimo para todos os auxílios e ainda implementar um programa efetivo de combate ao assédio moral nos bancos, e atender todas as demais reivindicações”, aponta.
 

Veja na retomada da quarta rodada, nesta quinta-feira, 16, quais os temas de remuneração foram levados à mesa.
 
Auxílios refeição, alimentação e 13ª cesta – esse bloco de auxílios iniciou os debates. A proposta é de reajuste para um salário mínimo (R$ 510). Os bancos consideram os valores atuais adequados e afirmaram que será corrigido pelo mesmo índice que vier a corrigir o salário a ser apresentado na próxima semana.
 
PLR – a reivindicação de três salários mais R$ 4 mil de participação nos lucros e resultados foi rejeitada pelos bancos. Para eles permanece a fórmula atual corrigida(regra básica e uma parcela adicional).
 
Auxílio Educação – diante da argumentação de que os bancos exigem a qualificação do bancário, cobram seu aperfeiçoamento para subir na carreira e por isso devem arcar com esse custo, os bancos não concordam em convencionar esse tema, alegam que é uma questão de estratégica de gestão de cada empresa.
 
Previdência complementar – o Comando focou o debate desta questão na importância da proteção da remuneração do bancário na ocasião da aposentadoria quando perde parte da sua renda, pois deixa de receber diversas verbas que compõem seu salário da ativa, como auxílios, PLR e programas próprios. No entanto, os bancos reafirmaram o não para mais esta reivindicação e disseram que esta questão deve ser tratada banco a banco.
 
Auxílio-creche/babá – A Fenaban não só disse não a aumentar o valor do auxílio para um salário mínimo, como propôs reduzir a concessão dessa conquista dos atuais 6 anos e 11 meses para 5 anos e 11 meses, alegando que a lei de ensino fundamental reduziu a idade de ingresso escolar para 6 anos.
 
14º salário – a Fenaban negou a reivindicação.
 
Bancos Públicos – BB E CEF
Nesta sexta-feira, dia 17, o Comando Nacional e as Comissões de Empresas dos funcionários negociam com o Banco do Brasil e a Caixa Federal a partir das 10h em São Paulo. Na próxima semana, considerando a negociação com a Fenaban no dia 22, o Comando buscará agendar uma negociação com os bancos públicos no dia 23.
 
Susan Meire
Assessoria de Comunicação
FEEB SP MS

Notícias Relacionadas

Dirigentes da base da Feeb-SP/MS recebem segundo módulo do curso de formação da Contraf-CUT

Programa trata da estruturação histórica das organizações sindicais e da luta dos trabalhadores O Curso de Formação Sindical para Dirigentes, da Secretaria de Formação da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), estreia o seu segundo módulo nesta sexta-feira (17) e no sábado (18) para as bases da Federação dos Bancários de São Paulo […]

Leia mais

Bancários se preparam para Conferência Nacional da categoria

Consulta aos trabalhadores nas bases sindicais de todo o país e conferências estaduais e regionais servirão de subsídio para os debates nacionais que levarão à construção da pauta de reivindicações e da estratégia da Campanha Nacional 2024 Bancárias e bancários de todo o país se reúnem, em São Paulo, entre os dias 4 e 9 […]

Leia mais

Lucro da Caixa cresceu 49% no 1º trimestre de 2024

Com 1,56 milhão de novos clientes e 168 empregados a menos no quadro de pessoal, aumenta também a sobrecarga A Caixa Econômica Federal anunciou na noite de quarta-feira (15) um lucro líquido recorrente de R$ 2,88 bilhões no primeiro trimestre de 2024, alta de 49,1% em comparação ao mesmo período de 2023 e de 0,5% em relação […]

Leia mais

Sindicatos filiados