Receita com serviços e tarifas cresce 3,7% no Bradesco

22.10.2012

Aumento foi decorrente, segundo o Bradesco, da evolução das receitas com cartões, administração de fundos e conta corrente São Paulo – As receitas com serviços e tarifas bancárias do Bradesco totalizaram R$ 4,438 bilhões no terceiro trimestre deste ano, expansão de 3,7% ante o segundo trimestre e de 14,5% na comparação anual. Nos nove primeiros […]


Aumento foi decorrente, segundo o Bradesco, da evolução das receitas com cartões, administração de fundos e conta corrente

São Paulo – As receitas com serviços e tarifas bancárias do Bradesco totalizaram R$ 4,438 bilhões no terceiro trimestre deste ano, expansão de 3,7% ante o segundo trimestre e de 14,5% na comparação anual. Nos nove primeiros meses de 2012, somaram R$ 12,837 bilhões, expansão de 15,3%. 

O aumento foi decorrente, segundo o Bradesco, da evolução das receitas com cartões, administração de fundos e conta corrente. Nos cartões, as receitas cresceram 4,9% na comparação trimestral e 18,5% em nove meses. A base total de cartões recuou de 150,2 milhões em junho para 149,3 milhões em setembro, devido ao cancelamento de plásticos sem uso.

No entanto, o volume de transações com cartões aumentou de 299,5 milhões no segundo trimestre para 310,7 milhões no terceiro trimestre, totalizando um faturamento de R$ 83,48 bilhões em nove meses. As receitas com serviços de contas correntes cresceram 2,6%. De janeiro a setembro, a expansão foi ainda maior, de 16,6%. No período, foram abertas 945 mil contas correntes. Nas operações de empréstimos, a receita avançou 2,7% no trimestre e 7,4% em nove meses.

Mas o maior crescimento trimestral com receitas foi obtido com a administração de fundos de investimento, que tiveram cortes nas taxas de administração a partir de abril para não perderem recursos para a poupança. No terceiro trimestre deste ano as receitas avançaram 5,4%. Já em nove meses a alta foi de 11,9%. O Bradesco administra R$ 404,4 bilhões em fundos e carteiras. As receitas com cobrança e arrecadações tiveram aumento de 4% no terceiro trimestre deste ano em relação ao trimestre anterior e de 7,8% em nove meses.

Despesas
As despesas do Bradesco cresceram menos do que as receitas. No total, os gastos de pessoal e administrativos aumentaram 3% em relação ao primeiro trimestre, somando R$ 6,684 bilhões. Em nove meses, ficaram em R$ 19,451 bilhões, alta de 10%.

O aumento das despesas ocorreu, entre outros fatores, devido aos maiores gastos com aumento dos níveis salariais, contratação de funcionários, sendo 2.766 novos colaboradores em nove meses, maiores despesas variáveis relativas ao produto cartões e publicidade e propaganda. O Bradesco encerrou setembro com 104.100 funcionários.

Veículos
O financiamento de veículos foi a linha de crédito do Bradesco com desempenho mais fraco no terceiro trimestre deste ano na carteira pessoa física. A carteira de veículos recuou 1% ante os três meses imediatamente anteriores e 2,2% na comparação anual. Já o crédito habitacional e o consignado foram os destaques de crescimento no período.

O crédito imobiliário foi o produto de maior evolução, de 7,8% no terceiro trimestre deste ano ante o trimestre anterior, para R$ 9,452 bilhões. Na comparação anual o crescimento foi de 48,3%. Por sua vez, o crédito consignado teve alta de 3,7% ao final de setembro contra junho e de 14% ante o mesmo intervalo do ano passado.
Na carteira de pessoa jurídica do Bradesco os destaques do terceiro trimestre foram o financiamento imobiliário ("plano empresário") e financiamento à exportação, com expansão de 9,2% e 4,6% na comparação trimestral, respectivamente.

A carteira de crédito total do Bradesco, incluindo avais e fianças, fechou o mês de setembro em R$ 371,674 bilhões, aumento de 11,8% ante o mesmo mês do ano passado. Na comparação com o segundo trimestre de 2012, a carteira de crédito teve expansão de 1,8%. As operações com pessoas físicas responderam por R$ 114,536 bilhões, alta de 8,7%, enquanto as com pessoas jurídicas ficaram em R$ 257,138 bilhões, crescimento de 13,3% na comparação com o terceiro trimestre de 2011.

Fonte: Aline Bronzati, da Agência Estado

Notícias Relacionadas

Bancários querem mais contratações, fim das demissões e da precarização

Comando Nacional propõe maior equilíbrio entre dias trabalhados, com momentos de descanso e lazer, com redução da jornada para quatro dias; proposta pode aumentar produtividade e satisfação com o emprego O Comando Nacional dos Bancários se reuniu na manhã desta segunda-feira (27) com a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) na segunda reunião de negociação da […]

Leia mais

Bancários negociam com Federação Nacional dos Bancos nesta segunda-feira (27)

Temas Emprego e Terceirização são os primeiros temas a serem discutidos A Campanha Nacional do Bancário, iniciada na última semana, segue hoje (27) com mais uma negociação. Federações, associações e representação sindical negociam com a Federação Nacional dos Bancos as pautas “Emprego e Terceirização”. Os temas foram definidos pelo Comando Nacional dos Bancários na última […]

Leia mais

Bancários criam Comitê de Luta durante Congresso Nacional

Comitê nacional lutará para defender o BB como instituição pública e em apoio a projeto de Governo que fortaleça o banco e sua função social, de indutor do crescimento econômico com geração de emprego e renda O papel do Banco do Brasil na reconstrução do país foi um dos temas em destaque no 33° Congresso […]

Leia mais

Sindicatos filiados