Santander: COE cobra do banco igualdade de oportunidades entre homens e mulheres

10.05.2023

Bancários reprovam campanha publicitária para o Dia das Mães O tema igualdade de oportunidades será novamente debatido pelos representantes dos bancários na Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Santander, que se reúne com a direção do banco, no dia 22 de maio. O tema, amplamente defendido pela categoria na Campanha Nacional dos Bancários, ganhou […]

Bancários reprovam campanha publicitária para o Dia das Mães

O tema igualdade de oportunidades será novamente debatido pelos representantes dos bancários na Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Santander, que se reúne com a direção do banco, no dia 22 de maio. O tema, amplamente defendido pela categoria na Campanha Nacional dos Bancários, ganhou força após a divulgação da peça publicitária para o Dia das Mães.

Entre os apontamentos reprovados pelos empregados está a falta de clareza na informação sobre o suposto período de desconto para mulheres em produtos como seguro de vida, parcelamento de fatura e anuidade de cartões.  A campanha aponta, como dado da Pesquisa Nacional de Amostra de Domicílios (PNAD), a informação de que a renda mensal das mulheres é 21% menor do que a dos homens. Razão pela qual o banco menciona o referido desconto. Outro apontamento observado pelos representantes é a afirmação de que não há diferença salarial há mais de 10 anos entre homens e mulheres que fazem parte do quadro do Banco Santander. “É fato que a diferença salarial diminuiu, mas ainda vemos a discriminação de gênero quanto à ascensão dos profissionais”, destaca Patrícia Bassanin, representante da Federação dos Bancários dos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul (Feeb SP/MS), na Coe Santander.

Conforme o último relatório de sustentabilidade emitido pelo Santander, em 2021, 61% dos cargos na área operacional eram ocupados por mulheres, enquanto 39% eram ocupados por homens. Já para os cargos de diretoria, 25% eram ocupados por mulheres e 75% por homens.

De acordo com o Fórum Econômico Mundial, o mundo precisa de 257 anos para superar esta desigualdade de gênero no trabalho. A luta da categoria é para que essa diferença seja superada o quanto antes. “Vamos retomar a pauta quantas vezes forem necessárias, até que o banco entenda de uma vez por todas que o marketing aplicado deve ser compatível com a realidade. Essa diferença deve ser superada e a igualdade de gênero sair do campo ideal para o real”, destaca a representante.

Notícias Relacionadas

Dirigentes da base da Feeb-SP/MS recebem segundo módulo do curso de formação da Contraf-CUT

Programa trata da estruturação histórica das organizações sindicais e da luta dos trabalhadores O Curso de Formação Sindical para Dirigentes, da Secretaria de Formação da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), estreia o seu segundo módulo nesta sexta-feira (17) e no sábado (18) para as bases da Federação dos Bancários de São Paulo […]

Leia mais

Bancários se preparam para Conferência Nacional da categoria

Consulta aos trabalhadores nas bases sindicais de todo o país e conferências estaduais e regionais servirão de subsídio para os debates nacionais que levarão à construção da pauta de reivindicações e da estratégia da Campanha Nacional 2024 Bancárias e bancários de todo o país se reúnem, em São Paulo, entre os dias 4 e 9 […]

Leia mais

Lucro da Caixa cresceu 49% no 1º trimestre de 2024

Com 1,56 milhão de novos clientes e 168 empregados a menos no quadro de pessoal, aumenta também a sobrecarga A Caixa Econômica Federal anunciou na noite de quarta-feira (15) um lucro líquido recorrente de R$ 2,88 bilhões no primeiro trimestre de 2024, alta de 49,1% em comparação ao mesmo período de 2023 e de 0,5% em relação […]

Leia mais

Sindicatos filiados