Santander nega demissões em massa e não aceita negociar, durante audiência no MPT

11.12.2012

O Santander negou que promoveu demissões em massa no país, durante audiência hoje (11/12) no Ministério Público do Trabalho da 15ª Região, em Campinas, solicitada pela Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul nesta segunda (10/12) e pelo Sindicato dos Bancários de Campinas e Região no último dia 05. Segundo o […]

O Santander negou que promoveu demissões em massa no país, durante audiência hoje (11/12) no Ministério Público do Trabalho da 15ª Região, em Campinas, solicitada pela Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul nesta segunda (10/12) e pelo Sindicato dos Bancários de Campinas e Região no último dia 05. Segundo o banco espanhol, as demissões ocorridas na semana passada – na base da Feeb-SP/MS, até o momento, foram despedidos mais de 160 bancários – configura tão somente “rotatividade normal” e foram promovidas pelos seus cinco mil gestores.

O Santander destacou que “não tem controle sobre as ações dos gestores” e, consequentemente, não pode suspender as demissões (‘localizadas’) e nem construir uma solução com os representantes dos trabalhadores. O diretor da Feeb-SP/MS, Aparecido Roveroni, questiona o argumento do banco, “como o Santander pode dizer que os gestores são os responsáveis pelas dispensas, se têm, inclusive, gestores sendo demitidos? É obvio que essa orientação vem da direção da instituição”.

Frente à impossibilidade de qualquer entendimento na audiência, a Feeb-SP/MS e o Sindicato de Campinas informaram, como consta na ata da reunião, que “adotarão as medidas que entenderem cabíveis na defesa da categoria representada, inclusive no que se refere ao possível caráter discriminatório das demissões e possível pedido de reintegração”.

Para Jeferson Boava, que representou a Federação dos Bancários, “nossa luta é pela preservação dos empregos em todas as frentes e contra a postura intransigente do Santander, que não informou o número de demitidos e sequer assumiu a responsabilidade pelos cortes. As demissões foram em massa e discriminatórias. A primeira tentativa em buscar uma saída fracassou, porém, vamos em frente”.

Jeferson observa que, conforme orientação da Feeb-SP/MS, os sindicatos não estão homologando nenhuma demissão e essa orientação está mantida. “Vamos aguardar o resultado de outras batalhas travadas no país e a orientação da Comissão de Organização dos Empregados (COE), que se reuniu hoje em São Paulo”.

Fonte: Feeb-SP/MS com Seeb Campinas
Foto: Júlio César Costa

Ver também: Federação dos Bancários de SP e MS denuncia demissões em massa do Santander ao MPT

 

Notícias Relacionadas

Dirigentes da base da Feeb-SP/MS recebem segundo módulo do curso de formação da Contraf-CUT

Programa trata da estruturação histórica das organizações sindicais e da luta dos trabalhadores O Curso de Formação Sindical para Dirigentes, da Secretaria de Formação da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), estreia o seu segundo módulo nesta sexta-feira (17) e no sábado (18) para as bases da Federação dos Bancários de São Paulo […]

Leia mais

Bancários se preparam para Conferência Nacional da categoria

Consulta aos trabalhadores nas bases sindicais de todo o país e conferências estaduais e regionais servirão de subsídio para os debates nacionais que levarão à construção da pauta de reivindicações e da estratégia da Campanha Nacional 2024 Bancárias e bancários de todo o país se reúnem, em São Paulo, entre os dias 4 e 9 […]

Leia mais

Lucro da Caixa cresceu 49% no 1º trimestre de 2024

Com 1,56 milhão de novos clientes e 168 empregados a menos no quadro de pessoal, aumenta também a sobrecarga A Caixa Econômica Federal anunciou na noite de quarta-feira (15) um lucro líquido recorrente de R$ 2,88 bilhões no primeiro trimestre de 2024, alta de 49,1% em comparação ao mesmo período de 2023 e de 0,5% em relação […]

Leia mais

Sindicatos filiados