Segurança nas agências de negócios foi tema de negociação

16.12.2020

De acordo com a representação da categoria, as agências possuem caixa eletrônico e a falta de segurança coloca em risco a vida do funcionário e dos clientes A segurança bancária foi tema de reunião remota desta terça-feira, 16, entre representantes da categoria bancária e a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban). De acordo com o representante […]

De acordo com a representação da categoria, as agências possuem caixa eletrônico e a falta de segurança coloca em risco a vida do funcionário e dos clientes

A segurança bancária foi tema de reunião remota desta terça-feira, 16, entre representantes da categoria bancária e a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban).

De acordo com o representante da Federação dos Bancários dos Estados de SP/MS, Júlio César Machado, “a maior preocupação da categoria é a questão das agências de negócios dos bancos, sendo que muitas operam sem porta de segurança ou vigilantes”. De acordo os funcionários, a falta de segurança coloca em risco tanto a vida do bancário como a do cliente.

Para os bancos, não há riscos, uma vez que tratam-se de unidades que não operam dinheiro. A representação dos bancários ressaltou a existência de caixas eletrônicos no saguão, abastecidos por terceirizadas.

Para a categoria, a resposta da representação dos bancos não foi positiva e demonstrou a insatisfação com as leis municipais e estaduais, que criam dificuldades operacionais a este modelo de agência.

Face à pauta apresentada, a representação dos bancos propôs a criação em conjunto de uma redação nacional padrão a ser levada às câmaras municipais.
Uma nova reunião será agendada nos próximos dias para que a Fenaban apresente suas propostas para avaliação do Comando Nacional dos Bancários e da representação da categoria.

Propostas
Dentre as propostas apresentadas pela representação dos bancários e bancárias sobre o futuro das agências estão:

1 – Segurar/impedir a judicialização de processos (eliminar processos) de vigilantes e bancários. "A forma imposta corre o risco de colocar o vigilante e o bancário em choque e não queremos isso, uma vez que vigilantes e bancários são parceiros no ambiente de trabalho e defensores da segurança bancária", explica o representante da Feeb.

2 – Achar proposta para o Brasil por meio de negociações em mesa ou leis, para tratar sobre a questão da legislação atual, que trata da redução do contingente bancário.

3 – Solucionar impasse sobre agências com ou sem dinheiro.

 

Notícias Relacionadas

Caixa terá processo seletivo para a escolha dos diretores da FUNCEF

Inscrições já foram iniciadas e seguem até a próxima quinta-feira (9/2) Os cargos de diretor-presidente e diretor de Investimentos e Participações Societárias e Imobiliárias da Fundação dos Economiários Federais (FUNCEF) serão escolhidos por meio de processo seletivo. O anúncio foi feito em edital publicado pela Caixa. As inscrições tiveram início na última sexta-feira (3/2) e […]

Leia mais

Santander implementa teletrabalho em áreas administrativas

Modalidade é válida para áreas administrativas e contemplam eixo São Paulo e Rio de Janeiro O Santander anunciou que irá implementar o teletrabalho (home office). A modalidade é válida para bancários das áreas administrativas, lotados majoritariamente no eixo São Paulo e Rio de Janeiro, segundo as regras previstas na Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) da categoria. As […]

Leia mais

Santander paga PLR e demais adicionais no dia 28 de fevereiro

Representantes da Comissão de Organização de Empregados (COE/Santander) foram informados nesta terça-feira (01), sobre a data de pagamento da Participação nos Lucros e Resultados (PLR). O valor será creditado no dia 28 deste mês. Junto com a PLR bancárias e bancários do Santander receberão os percentuais do Programa Próprio de Resultados do Santander (PPRS), do […]

Leia mais

Sindicatos filiados