Segurança nas agências de negócios foi tema de negociação

16.12.2020

De acordo com a representação da categoria, as agências possuem caixa eletrônico e a falta de segurança coloca em risco a vida do funcionário e dos clientes A segurança bancária foi tema de reunião remota desta terça-feira, 16, entre representantes da categoria bancária e a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban). De acordo com o representante […]

De acordo com a representação da categoria, as agências possuem caixa eletrônico e a falta de segurança coloca em risco a vida do funcionário e dos clientes

A segurança bancária foi tema de reunião remota desta terça-feira, 16, entre representantes da categoria bancária e a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban).

De acordo com o representante da Federação dos Bancários dos Estados de SP/MS, Júlio César Machado, “a maior preocupação da categoria é a questão das agências de negócios dos bancos, sendo que muitas operam sem porta de segurança ou vigilantes”. De acordo os funcionários, a falta de segurança coloca em risco tanto a vida do bancário como a do cliente.

Para os bancos, não há riscos, uma vez que tratam-se de unidades que não operam dinheiro. A representação dos bancários ressaltou a existência de caixas eletrônicos no saguão, abastecidos por terceirizadas.

Para a categoria, a resposta da representação dos bancos não foi positiva e demonstrou a insatisfação com as leis municipais e estaduais, que criam dificuldades operacionais a este modelo de agência.

Face à pauta apresentada, a representação dos bancos propôs a criação em conjunto de uma redação nacional padrão a ser levada às câmaras municipais.
Uma nova reunião será agendada nos próximos dias para que a Fenaban apresente suas propostas para avaliação do Comando Nacional dos Bancários e da representação da categoria.

Propostas
Dentre as propostas apresentadas pela representação dos bancários e bancárias sobre o futuro das agências estão:

1 – Segurar/impedir a judicialização de processos (eliminar processos) de vigilantes e bancários. "A forma imposta corre o risco de colocar o vigilante e o bancário em choque e não queremos isso, uma vez que vigilantes e bancários são parceiros no ambiente de trabalho e defensores da segurança bancária", explica o representante da Feeb.

2 – Achar proposta para o Brasil por meio de negociações em mesa ou leis, para tratar sobre a questão da legislação atual, que trata da redução do contingente bancário.

3 – Solucionar impasse sobre agências com ou sem dinheiro.

 

Notícias Relacionadas

Financiários conquistam proposta com reajustes econômicos e garantias de direitos

Feeb SP/MS indica aceitação da proposta; assembleias devem ser realizadas até segunda-feira (10) Depois de uma negociação que se estendeu por quase três meses, os financiários conquistaram a garantia de todos os direitos da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) por dois anos. Em negociação realizada na manhã desta quarta-feira (5), de forma híbrida, a Federação […]

Leia mais

Financiários se reúnem com a Fenacrefi nesta quarta-feira (5)

Este será o terceiro encontro de negociação desde a entrega da pauta de reivindicações, realizada em 1º de julho Representantes dos financiários se reúnem com a Federação Interestadual das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento (Fenacrefi), nesta quarta-feira (5), às 11h, para dar continuidade às negociações da Campanha Nacional 2022. Esta será a terceira rodada […]

Leia mais

Feeb SP/MS discute nova terceirização do Santander nesta terça-feira (4)

Nesta terça-feira (4), dirigentes sindicais da Federação dos Bancários dos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul (Feeb SP/MS) se reúnem para tratar sobre o tema “Terceirização do Santander”. A expectativa é a de que 1,7 mil empregados passem a atuar na empresa SX Tools, criada pelo próprio banco. O anúncio foi feito […]

Leia mais

Sindicatos filiados