Sem avanço na negociação, Comando indica greve a partir do dia 18

05.09.2012

Em rodada de negociação com o Comando Nacional dos Bancários nesta terça-feira, 4, em São Paulo, a Fenaban não apresentou uma nova proposta, manteve a oferta de 6% de reajuste salarial feita no dia 28/08 e frustrou a categoria bancária. Aparecido Roveroni, representante da Federação dos Bancários de São Paulo e Mato grosso do Sul […]

Em rodada de negociação com o Comando Nacional dos Bancários nesta terça-feira, 4, em São Paulo, a Fenaban não apresentou uma nova proposta, manteve a oferta de 6% de reajuste salarial feita no dia 28/08 e frustrou a categoria bancária.

Aparecido Roveroni, representante da Federação dos Bancários de São Paulo e Mato grosso do Sul na mesa, reafirma que a proposta de 6% de reajuste sobre todas as verbas salariais, o que inclui PLR, é um absurdo, pois não contempla uma série de exigências dos bancários, como aumento real e piso e PLR maiores. “Queremos cada vez mais nos aproximar do piso do Dieese e o lucro dos bancos mostra que eles têm condições de melhorar a proposta de reajuste”, ressalta.

O Comando definiu calendário de mobilização com realização de assembleias no dia 12 para deflagrar greve por tempo indeterminado a partir do dia 18, com assembleias organizativas no dia 17. “Queremos continuar negociando, mas enquanto a Fenaban não acena com uma nova proposta vamos intensificar as mobilizações. Estamos prontos para a greve, se é esta a resposta que os banqueiros esperam”, finaliza o representante da Federação.

Calendário de mobilização
Dia 12 – Realização de assembleias para iniciar greve por tempo indeterminado a partir do dia 18

Dia 17 – Assembleias organizativas

 
Principais reivindicações dos bancários
– Reajuste salarial de 10,25%, o que significa 5% de aumento real acima da inflação projetada de 4,97% nos últimos 12 meses.

– PLR de três salários mais R$ 4.961,25 fixos.

– Piso da categoria equivalente ao salário mínimo do Dieese (R$ 2.416,38).

– Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS) para todos os bancários.

– Auxílio-educação para graduação e pós-graduação.

– Auxílio-refeição, cesta-alimentação e auxílio creche/babá: R$ 622,00.

– Emprego: aumentar as contratações, acabar com a rotatividade, fim das terceirizações, aprovação da Convenção 158 da OIT (que inibe demissões imotivadas) e universalização dos serviços bancários.

– Cumprimento da jornada de 6 horas para todos.

– Fim das metas abusivas e combate ao assédio moral para preservar a saúde dos bancários.

– Mais segurança nas agências e postos bancários.

– Previdência complementar para todos os bancários.

– Contratação total da remuneração, o que inclui a renda variável.

– Igualdade de oportunidades. 

Notícias Relacionadas

Bancários criam Comitê de Luta durante Congresso Nacional

Comitê nacional lutará para defender o BB como instituição pública e em apoio a projeto de Governo que fortaleça o banco e sua função social, de indutor do crescimento econômico com geração de emprego e renda O papel do Banco do Brasil na reconstrução do país foi um dos temas em destaque no 33° Congresso […]

Leia mais

Coe Itaú entrega pauta de reivindicação específica ao Banco

O documento é resultado do Encontro Nacional dos Bancários do Itaú Os representantes da Comissão de Organização dos Empregados (COE) Itaú entregaram nesta quinta-feira (23), a pauta de reivindicação específica do banco. O documento é resultado do Encontro Nacional dos Bancários do Itaú. “Reafirmamos o nosso compromisso com o banco de negociação permanente, através da […]

Leia mais

Campanha Nacional: Bancários definem temas das próximas negociações com os bancos

Demissão em massa pelo Mercantil do Brasil no Rio de Janeiro; abono do banco de horas negativas e retirada de pauta do PL 1043/2019, também foram pautas do primeiro dia de negociação O Comando Nacional dos Bancários definiu nesta quarta-feira (22), os temas das reuniões de negociações com a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban). Os […]

Leia mais

Sindicatos filiados