Sem vigilantes nas agências, rede bancária não abre em Corumbá

01.02.2013

Por Marcelo Fernandes | Diário Corumbaense A rede bancária de Corumbá – incluindo agências públicas e privadas – não abriu nesta sexta-feira, 1º de fevereiro. A razão é a paralisação dos vigilantes que cobram, das empresas de segurança, a aplicação imediata da lei nº 12.740/2012, sancionada em 10 de dezembro pela presidente Dilma Rousseff garantindo […]

Por Marcelo Fernandes | Diário Corumbaense

A rede bancária de Corumbá – incluindo agências públicas e privadas – não abriu nesta sexta-feira, 1º de fevereiro. A razão é a paralisação dos vigilantes que cobram, das empresas de segurança, a aplicação imediata da lei nº 12.740/2012, sancionada em 10 de dezembro pela presidente Dilma Rousseff garantindo o pagamento do adicional de periculosidade de 30% para todos os vigilantes patrimoniais.

Bancos disponibilizam serviços em caixas eletrônicos

O fechamento das agências seguiu uma orientação do Banco Central por conta da falta dos serviços de segurança nos bancos. Sem os vigilantes fica impossibilitado, por exemplo, o transporte de dinheiro nos carros-fortes para os bancos.


Sem atendimento o serviço bancário se restringe aos caixas eletrônicos de cada agência. O saque de dinheiro também pode ser feito nos terminais.

O Banco do Brasil disponibiliza serviços nos Correios como depósitos em dinheiro até R$ 1 mil; depósitos em cheques até R$ 25 mil pode ser feito até 14 horas; pagamento de boletos do Banco do Brasil até R$ 1 mil; boletos de outros estabelecimentos bancários até R$ 300; tributos até R$ 500 também podem ser pagos; estão liberados saques até R$ 1,5 mil de cartões com chip e R$ 1000 sem chip.

Na agência do BB, o movimento de clientes nos terminais eletrônicos é intenso. É que nesta sexta-feira, servidores do Estado e do Município recebem os salários de janeiro. "Está difícil, não achei que fosse encontrar filas tão grandes. Além de sacar dinheiro, precisava pagar contas. Fazer o quê né?", lamentou Maria Silva, 48 anos.

A mobilização

O adicional de 30% deve ser pago sobre o valor do salário-base dos vigilantes, que em Mato Grosso do Sul é de R$ 847 registrado em carteira. A lei alterou a redação do artigo 193 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), que regulamentava a concessão desse adicional apenas aos profissionais que exercem atividades em contato com inflamáveis, explosivos e energia elétrica. No Estado são 7,5 mil profissionais. Em Corumbá são 380 vigilantes. Inicialmente, a manifestação é por 24 horas, mas pode se tornar em greve por tempo indeterminado.

Fonte: Diário Corumbaense
Fotos: Anderson Gallo/Diário Online

Notícias Relacionadas

Bancários criam Comitê de Luta durante Congresso Nacional

Comitê nacional lutará para defender o BB como instituição pública e em apoio a projeto de Governo que fortaleça o banco e sua função social, de indutor do crescimento econômico com geração de emprego e renda O papel do Banco do Brasil na reconstrução do país foi um dos temas em destaque no 33° Congresso […]

Leia mais

Coe Itaú entrega pauta de reivindicação específica ao Banco

O documento é resultado do Encontro Nacional dos Bancários do Itaú Os representantes da Comissão de Organização dos Empregados (COE) Itaú entregaram nesta quinta-feira (23), a pauta de reivindicação específica do banco. O documento é resultado do Encontro Nacional dos Bancários do Itaú. “Reafirmamos o nosso compromisso com o banco de negociação permanente, através da […]

Leia mais

Campanha Nacional: Bancários definem temas das próximas negociações com os bancos

Demissão em massa pelo Mercantil do Brasil no Rio de Janeiro; abono do banco de horas negativas e retirada de pauta do PL 1043/2019, também foram pautas do primeiro dia de negociação O Comando Nacional dos Bancários definiu nesta quarta-feira (22), os temas das reuniões de negociações com a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban). Os […]

Leia mais

Sindicatos filiados