Setor de serviços registra 93% de aumento nos desligamentos de trabalhadores por motivos de mortes no Brasil

01.07.2021

Atividades financeiras, imobiliárias, de informação e administrativas correspondem 41,8% do setor. Comparação foi feita entre os primeiros quadrimestres de 2020 e 2021. Estudo realizado pela Secretaria Especial de Previdência e Trabalho, a pedido do G1, aponta para um aumento de 93% nos desligamentos por motivos de morte no setor de serviços. Destes, 41,8% correspondem a […]

Atividades financeiras, imobiliárias, de informação e administrativas correspondem 41,8% do setor. Comparação foi feita entre os primeiros quadrimestres de 2020 e 2021.

Estudo realizado pela Secretaria Especial de Previdência e Trabalho, a pedido do G1, aponta para um aumento de 93% nos desligamentos por motivos de morte no setor de serviços. Destes, 41,8% correspondem a trabalhadores que atuam em atividades financeiras, imobiliária, de informação e administrativas, totalizando 7.152 ocorrências.

Na indústria e no comércio, o aumento foi de 89% e no setor da construção, o crescimento ficou em 78%.

O levantamento é baseado no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED), do Ministério da Economia, reflete apenas o marcado formal. Além disso, nos permite saber apenas  o motivo do desligamento e não necessariamente relaciona os óbitos com a COVID-19. No entanto, os dados do Caged mostram que os registros começaram a aumentar a partir de abril de 2020, mês em que a pandemia se agravou no país. Além disso, as ocupações que exigem atividades fora de casa foram as mais afetadas.

Desligamentos por motivo de morte 2020-2021 no Brasil

Ainda de acordo com levantamento do CAGED em março e abril de 2020 os registros de desligamentos por motivo de morte variavam entre 5 e 6 mil. Já em 2021, no mesmo período, esse número saltou para 11 mil encerramentos de contratos por óbito.

O total de encerramento de contrato por motivo de morte teve aumento de 21% entre 2019 e 2020. Os primeiros quatro meses deste ano já têm 66,6% do total registrado em 2019 e 55,2% do total de 2020.

(Fonte: Portal G1)

Veja abaixo os maiores crescimentos nos desligamentos por mortes entre janeiro e abril de 2020 e de 2021:

Motorista de Ônibus Rodoviário: 181%
Supervisor Administrativo: 166,4%
Motorista de Caminhão: 152%
Gerente Administrativo: 145,2%
Motorista de Ônibus Urbano: 143,7%
Vigilante: 129,5%
Assistente administrativo: 115,2%
Operador de caixa: 114,7%
Motorista de Carro de Passeio: 114,2%
Vendedor de comércio varejista: 113,2%
Frentista: 105,2%
Auxiliar de escritório: 98,5%
Zelador de edifício: 94,9%
Porteiro de edifícios: 93,7%

Notícias Relacionadas

Santander implementa teletrabalho em áreas administrativas

Modalidade é válida para áreas administrativas e contemplam eixo São Paulo e Rio de Janeiro O Santander anunciou que irá implementar o teletrabalho (home office). A modalidade é válida para bancários das áreas administrativas, lotados majoritariamente no eixo São Paulo e Rio de Janeiro, segundo as regras previstas na Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) da categoria. As […]

Leia mais

Santander paga PLR e demais adicionais no dia 28 de fevereiro

Representantes da Comissão de Organização de Empregados (COE/Santander) foram informados nesta terça-feira (01), sobre a data de pagamento da Participação nos Lucros e Resultados (PLR). O valor será creditado no dia 28 deste mês. Junto com a PLR bancárias e bancários do Santander receberão os percentuais do Programa Próprio de Resultados do Santander (PPRS), do […]

Leia mais

Feeb SP/MS monta grupo de trabalho para discutir metas com Banco Itaú

Prazo para organização de grupos de representação se encerrou no último dia 31 Bancários representados pela Federação dos Bancários dos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul formalizaram o pedido junto ao banco para montagem de um grupo de trabalho para discussão de metas. De acordo com a cláusula 87 da Convenção Coletiva […]

Leia mais

Sindicatos filiados