Sindicato de Campinas fecha agência do BB em Dia de Luta contra práticas antissindicais

28.11.2012

O Dia Nacional de Luta contra as Práticas Antissindicais no Banco do Brasil foi marcado hoje (28/11)l em Campinas com paralisação dos serviços até às 12h na agência Bonfim, retardando a abertura em 2h, e manifestação nos locais de trabalho instalados nas proximidades (agência Governador, posto de atendimento da Secretaria Estadual da Fazenda e nos […]

O Dia Nacional de Luta contra as Práticas Antissindicais no Banco do Brasil foi marcado hoje (28/11)l em Campinas com paralisação dos serviços até às 12h na agência Bonfim, retardando a abertura em 2h, e manifestação nos locais de trabalho instalados nas proximidades (agência Governador, posto de atendimento da Secretaria Estadual da Fazenda e nos departamentos CSO, PSO, GEPES e GERAG, localizados no prédio da antiga Gerel), sob a coordenação do Sindicato dos Bancários de Campinas e Região. Durante o protesto, que contou com total apoio dos funcionários e clientes, os diretores da entidade distribuíram carta aberta intitulada “Diretoria do Banco do Brasil desrespeita funcionários. Lembra os ‘anos de chumbo’ ao perseguir quem fez greve” (veja abaixo).

Entre as práticas antissindicais da diretoria do BB, está a recente medida que obriga os funcionários que participaram da greve nacional da categoria, em setembro último, a assinar um termo para compensar o que denomina “Horas de Greve”. A decisão do Banco transforma uma questão coletiva em individual, pois a compensação dos dias parados está prevista na Convenção Coletiva de Trabalho. Como disse o presidente do Sindicato, Jeferson Boava, “uma exigência desnecessária. A CCT é um instrumento coletivo de trabalho. Qualquer conflito deve ser remetido ao sindicato, legítimo representante dos trabalhadores. Ao individualizar a questão, o BB visa intimidar, punir os funcionários que fizeram greve, e desmobilizar as ações coletivas. O que é muito grave. Aliás, o Sindicato já ingressou ação na Justiça pleiteando a suspensão da obrigatoriedade do funcionário assinar o termo”.

O desrespeito da diretoria do BB, no entanto, não para aí: descomissiona em nome de “atos de gestão” (proibido pelo governo federal); suspende a posse de concursados; corta a verba de aprimoramento; não convoca eleição do representante dos funcionários no Conselho de Administração, previsto em lei; reduz o quadro de vigilantes; e não explica o pagamento da PLR, em especial o módulo bônus. Quanto à jornada de 6h para todos, promete solução em janeiro de 2013. “É inaceitável essa postura da diretoria do Banco, a ser combatida em todas as esferas”, frisa o presidente Jeferson Boava.

Carta aberta aos clientes, usuários e funcionários

Diretoria do Banco do Brasil desrespeita funcionários.
Lembra os “anos de chumbo” ao perseguir quem fez greve

Hoje, 28 de novembro de 2012, é Dia Nacional de Luta contra as Práticas Antissindicais no Banco do Brasil. A mobilização em todo o país é para denunciar que a atual diretoria da secular instituição pública federal não respeita o acordo coletivo negociado com os sindicatos e, por extensão, não respeita seus próprios funcionários; todos concursados, comprometidos com o papel social do Banco do Brasil. O Banco, que deveria ser um dos pilares do desenvolvimento econômico do país, se preocupa hoje mais em punir seus funcionários, não cumprir o negociado com os legítimos representantes dos trabalhadores bancários, que são os sindicatos. Sem falar que, em total desrespeito à Constituição Federal, duramente conquistada em 1988, depois de a Nação mandar de volta aos quartéis os generais golpistas de 1964, quer anular o direito democrático de greve.

É o que se pode concluir da recente decisão em obrigar os funcionários que participaram da greve nacional da categoria, em setembro último, a assinar um termo para compensar o que chama de “Horas de Greve”. Cabe aqui esclarecer que o acordo coletivo dos bancários já prevê a referida compensação dos dias parados, como em anos anteriores. Portanto, é desnecessário tal procedimento interno, a não ser para intimidar, ameaçar, pressionar, desmobilizar, reprimir quem exerceu o citado Direito de Greve, previsto na Carta Magna. Em outros termos, a atual diretoria do Banco do Brasil transforma uma questão coletiva em individual, ao tentar burlar a denominada Convenção Coletiva de Trabalho (CCT), assinada pelos sindicatos e pela entidade máxima dos Bancos, a Fenaban, da qual o BB é signatário.

Hoje, o Sindicato realiza esse Dia de Luta; ontem, mais especificamente no último dia 23, ingressou ação na 7ª Vara do Trabalho de Campinas, pleiteando a suspensão da medida que obriga os funcionários que participaram da greve a assinar o referido termo.

Mas, a diretoria do Banco do Brasil, não se limita em perseguir quem fez greve. A ditadura “Dida”, como se autodenomina o presidente Aldemir Bendine, comandante em chefe da atual gestão, descomissiona funcionários a bel-prazer, em nome de “atos de gestão”, proibido pelo próprio governo federal, acionista majoritário do Banco; suspende a posse de concursados sem explicação alguma; corta verba de aprimoramento dos funcionários; não abre o processo eleitoral para escolha do representante dos funcionários no Conselho de Administração do Banco (previsto em lei federal); reduz o quadro de vigilantes diante da crescente onda de assaltos e sequestros de bancários; paga a Participação nos Lucros e Resultados (PLR), prevista em acordo coletivo, do seu jeito, sem esclarecer ninguém; não respeita a jornada da categoria, que é de seis horas, para comissionados; apenas sinaliza que resolve o problema em janeiro de 2013. Enfim, a atual diretoria é uma ameaça não apenas aos funcionários, mas também à sociedade, aos clientes e usuários.

O Banco é do Brasil. Contamos com seu apoio e compreensão. Essa luta é de todos nós, de todos os cidadãos que acreditam no Brasil.

Campinas, 28 de Novembro de 2012

Fonte: Seeb Campinas
Foto: Roberto Mercury/SEEBCampinas

Notícias Relacionadas

Conferência Interestadual aprova eixos para Conferência Nacional de 2024

Sindicatos dos Bancários debateram propostas e aprovaram pautas em defesa do trabalhador. Documento será apresentado em Conferência Nacional para discussão na Campanha Salarial de 2024 Delegações de 21 regionais dos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul se reuniram nesta quinta e sexta-feira, 11 e 12 de abril, para debater propostas que serão […]

Leia mais

Abertura da Conferência Interestadual da Feeb SP/MS conta com delegações de 21 regionais

  Primeiro dia de evento amplia visão sobre o futuro do Sistema Financeiro, Cenário Econômico Nacional e Avanço Tecnológico  A Federação dos Bancários dos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul (Feeb SP/MS) abriu nesta quinta-feira (11) a Conferência Interestadual dos Bancários de 2024. O tema central do evento deste ano é “Categoria […]

Leia mais

Proposta da Caixa para PcD é frustrante

Contudo, houve definição sobre pagamento dos deltas da promoção por mérito A proposta da Caixa Econômica Federal sobre redução de jornada e priorização de empregadas e empregados PcD, ou que tenham filhos de até seis anos com deficiência, frustrou a representação dos trabalhadores. “Na proposta do banco, somente há possibilidade de redução da jornada com […]

Leia mais

Sindicatos filiados