Sindicatos aprovam acordo da Covid-19 com o BB

11.03.2021

Assembleias aconteceram online e presencial, nesta quarta-feira (09) Nesta quarta-feira (09), os 23 sindicatos filiados à Federação dos Bancários dos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul participaram das assembleias que deliberaram sobre a renovação do Acordo Coletivo de Trabalho Emergencial (Pandemia Covid-19). As votações ocorreram de forma presencial e pela internet e […]

Assembleias aconteceram online e presencial, nesta quarta-feira (09)

Nesta quarta-feira (09), os 23 sindicatos filiados à Federação dos Bancários dos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul participaram das assembleias que deliberaram sobre a renovação do Acordo Coletivo de Trabalho Emergencial (Pandemia Covid-19).

As votações ocorreram de forma presencial e pela internet e resultaram na aprovação do acordo com o Banco do Brasil.

O documento destaca questões como o não descomissionamento por desempenho enquanto perdurar a pandemia, o desconto de 10% no saldo de horas negativas e o aumento de prazo para compensação, que passa para 18 meses.

A renovação do acordo é uma demanda vinda dos funcionários que foi negociada pelo Comando Nacional dos Bancários com o Banco do Brasil.

O acordo anterior venceria no último dia de 2020, mas foi estendido por conta da uma liminar do Supremo Tribunal Federal (STF), que prorrogou o Estado de Pandemia. O Comando Nacional dos Bancários orientou para a aprovação do acordo. As assembleias ocorreram em todo o país e resultaram na aprovação por ampla maioria.

O próximo passo será a assinatura do acordo pelo banco e pelas entidades representativas dos funcionários.

Horas negativas
O Banco registra o número de 3.500 funcionários com horas a compensar. Destes, 2.600 têm mais de 200 horas a compensar, segundo informações passadas pelo banco.

Para o presidente da Feeb SP/MS, a renovação do acordo é mais uma conquista para o movimento e demonstra a importância das negociações.

“Mais uma vez o que vimos foi a importância da categoria nas decisões. Em momento crítico pelo qual passamos, toda redução de cortes no orçamento do funcionário é de grande valia. A cláusula que proíbe o descomissionamento por desempenho, põe fim ao acirramento na cobrança pelo cumprimento de metas e garante que não haverá perda de renda ao funcionário”, explica Boava.

 

Notícias Relacionadas

Dirigentes da base da Feeb-SP/MS recebem segundo módulo do curso de formação da Contraf-CUT

Programa trata da estruturação histórica das organizações sindicais e da luta dos trabalhadores O Curso de Formação Sindical para Dirigentes, da Secretaria de Formação da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), estreia o seu segundo módulo nesta sexta-feira (17) e no sábado (18) para as bases da Federação dos Bancários de São Paulo […]

Leia mais

Bancários se preparam para Conferência Nacional da categoria

Consulta aos trabalhadores nas bases sindicais de todo o país e conferências estaduais e regionais servirão de subsídio para os debates nacionais que levarão à construção da pauta de reivindicações e da estratégia da Campanha Nacional 2024 Bancárias e bancários de todo o país se reúnem, em São Paulo, entre os dias 4 e 9 […]

Leia mais

Lucro da Caixa cresceu 49% no 1º trimestre de 2024

Com 1,56 milhão de novos clientes e 168 empregados a menos no quadro de pessoal, aumenta também a sobrecarga A Caixa Econômica Federal anunciou na noite de quarta-feira (15) um lucro líquido recorrente de R$ 2,88 bilhões no primeiro trimestre de 2024, alta de 49,1% em comparação ao mesmo período de 2023 e de 0,5% em relação […]

Leia mais

Sindicatos filiados