Sindicatos e Fenaban negociam acordo sobre banco de horas

28.04.2020

A Federação dos Empregados em Estabelecimentos Bancários dos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul (Feeb SP MS), participou hoje, 28/04, junto com o Comando Nacional dos Bancários (CN) e a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) de mais uma videoconferência. Desta vez, o encontro foi para discutir a construção de um acordo sobre […]

A Federação dos Empregados em Estabelecimentos Bancários dos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul (Feeb SP MS), participou hoje, 28/04, junto com o Comando Nacional dos Bancários (CN) e a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) de mais uma videoconferência. Desta vez, o encontro foi para discutir a construção de um acordo sobre banco de horas para toda a categoria. A Fenaban se comprometeu a apresentar sua proposta para avaliação do Comando nos próximos dias.

O acordo objetiva estabelecer regras para compensar as horas acumuladas pelos bancários afastados do trabalho em função da pandemia, mas que não estão em férias e nem exercendo suas funções em casa (home office).

Manter CCT e emprego

O prazo de vigência da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT), assinada em 2018, termina em setembro deste ano (data-base). Diante do atual quadro de pandemia, de distanciamento social (quarentena), o Comando reivindicou à Fenaban a aplicação da ultratividade da CCT; ou seja, a prorrogação automática da atual Convenção Coletiva até à assinatura de novo instrumento jurídico.

O Comando reivindicou, ainda, a discussão do trabalho bancário pós pandemia; entre
outros temas, home office e garantia de emprego e salários.

Negociação durante pandemia

Em tempos de COVID-19, os sindicatos e os bancos iniciaram um amplo processo de negociação. A primeira reunião para discutir medidas visando impedir a disseminação da doença nos locais de trabalho aconteceu no dia 12 de março, um dia após a OMS (Organização Mundial da Saúde) declarar a pandemia do novo coronavírus.

Além da instalação de um comitê de crise, o Comando assegurou a liberação de parte da categoria para trabalhar em casa (home office), com manutenção dos salários e direitos, garantiu a distribuição de máscaras e protetor de acrílico em guichê de atendimento, conseguiu antecipar a vacinação contra a gripe, e os bancos Itaú, Bradesco e Santander assumiram compromisso de não demitir durante a pandemia. Sem falar que o Banco Central (BC) orientou redução do horário de atendimento, após pedido do Comando.

E mais: dado a uniformização dos procedimentos nos locais de trabalho, em todo o país, estabelecida entre os sindicatos e os bancos, o índice de contaminação no meio bancário é baixa, segundo informou a Fenaban durante a reunião de hoje (28 de abril). “O que prova que o processo de negociação é o melhor caminho. Não apenas para garantir direitos, mas também condições de trabalho”, avalia a presidente do Sindicato dos Bancários de Campinas, Ana Stela, que participou da reunião entre o Comando e a Fenaban.

Notícias Relacionadas

Dirigentes da base da Feeb-SP/MS recebem segundo módulo do curso de formação da Contraf-CUT

Programa trata da estruturação histórica das organizações sindicais e da luta dos trabalhadores O Curso de Formação Sindical para Dirigentes, da Secretaria de Formação da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), estreia o seu segundo módulo nesta sexta-feira (17) e no sábado (18) para as bases da Federação dos Bancários de São Paulo […]

Leia mais

Bancários se preparam para Conferência Nacional da categoria

Consulta aos trabalhadores nas bases sindicais de todo o país e conferências estaduais e regionais servirão de subsídio para os debates nacionais que levarão à construção da pauta de reivindicações e da estratégia da Campanha Nacional 2024 Bancárias e bancários de todo o país se reúnem, em São Paulo, entre os dias 4 e 9 […]

Leia mais

Lucro da Caixa cresceu 49% no 1º trimestre de 2024

Com 1,56 milhão de novos clientes e 168 empregados a menos no quadro de pessoal, aumenta também a sobrecarga A Caixa Econômica Federal anunciou na noite de quarta-feira (15) um lucro líquido recorrente de R$ 2,88 bilhões no primeiro trimestre de 2024, alta de 49,1% em comparação ao mesmo período de 2023 e de 0,5% em relação […]

Leia mais

Sindicatos filiados