Sorocaba: Contingenciamento e pressão refletem a irresponsabilidade dos bancos

16.10.2015

A greve dos bancários continua forte em todo o Brasil. A paralisação já entra em seu 11° dia e até o momento os bancos ainda não se pronunciaram com relação a uma nova proposta que contemple as necessidades da categoria. Em Sorocaba e região, já são 217 agências fechadas, resultando num percentual de 69% de […]

A greve dos bancários continua forte em todo o Brasil. A paralisação já entra em seu 11° dia e até o momento os bancos ainda não se pronunciaram com relação a uma nova proposta que contemple as necessidades da categoria. Em Sorocaba e região, já são 217 agências fechadas, resultando num percentual de 69% de suas agências paralisadas.

Mas um fato chama muito a atenção na greve deste ano: a irresponsabilidade dos bancos. Ao perceber que a cada dia mais agências se fecham, os gerentes regionais começam a pressionar os funcionários das agências fechadas a ir trabalhar em outras agências que porventura ainda estiverem abertas, inclusive em outras cidades. “Essa prática se chama contingenciamento e é proibida. Agora vejam, o bancário pega a estrada obrigado, à contra gosto, para ir até outra agência que não é a dele. Se no caminho acontece um acidente, ou assalto, como fica a cabeça de quem contingenciou esse funcionário? Cadê a responsabilidade?”, esclarece Julio Cesar Machado, presidente do Sindicato dos Bancários de Sorocaba e Região.

Mais irresponsabilidade

Durante o período de greve, poderão permanecer dentro das agências alguns poucos funcionários chave, como o gerente e o tesoureiro, por exemplo. Esses funcionários ficam dentro do banco apenas executando tarefas administrativas, sem atender o público – pois estão em greve. Ocorre que o banco Itaú, numa atitude irresponsável e desesperada, está pressionando esses funcionários a abrir as portas das agências a todo custo.

Conforme explica Julio, essa atitude do banco pode gerar muita confusão e atritos desnecessários, pois a agência teria um grande volume de serviço – já que as outras todas estão fechadas – tendo apenas alguns poucos funcionários para atender. “Imaginem o caos que seria se porventura uma agência abrisse em meio à greve, contando apenas com dois ou três funcionários para dar conta de toda a demanda de trabalho. Quem assume a responsabilidade pelos problemas que possam ocorrer?”, questiona.

Fonte: SEEB Sorocaba

Leia também

Tuitaço #Exploraçãonãotemperdão!

 

Notícias Relacionadas

CEBB negocia com o banco cláusulas econômicas e representação sindical

Ao término da negociação, bancários leram manifesto pela democracia Bancários do Banco do Brasil se reuniram nesta sexta-feira (12) com o banco para mais uma negociação da Campanha Nacional dos Bancários 2022, que tem por objetivo a renovação do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) específico dos trabalhadores do Banco do Brasil e do aditivo à […]

Leia mais

Federação dos Bancários orienta Sindicatos para realização de lives na próxima semana

Objetivo é promover o dialogo com a categoria e fortalecer pautas de luta na Campanha Nacional Conforme orientação do Comando Nacional, todo o movimento sindical deve dialogar com a categoria na próxima semana. A Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul, reforça o pedido para os seus 23 sindicatos filiados, para […]

Leia mais

Negociações entre COE Santander e banco avançam

Esforço dos sindicatos foi fundamental para o avanço de pautas especificas para mulheres Nesta sexta-feira (12), representantes da Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Santander se reuniu com o banco para dar continuidade às negociações da Campanha Nacional dos Bancários 2022, que tem por objetivo a renovação do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) específico […]

Leia mais

Sindicatos filiados