Spread bancário sobe pelo 5º mês consecutivo

30.06.2014

Apesar de estarem vislumbrando um cenário mais sombrio neste ano para a expansão do crédito no país, os bancos estão ganhando mais com empréstimos fechados. Em alta desde janeiro, o spread bancário – diferença entre os custos de captação de recursos das instituições financeiras e os juros cobrados dos tomadores finais – subiu de 12,5 […]

Apesar de estarem vislumbrando um cenário mais sombrio neste ano para a expansão do crédito no país, os bancos estão ganhando mais com empréstimos fechados.

Em alta desde janeiro, o spread bancário – diferença entre os custos de captação de recursos das instituições financeiras e os juros cobrados dos tomadores finais – subiu de 12,5 pontos percentuais para 12,9 pontos percentuais entre abril e maio, segundo dados divulgados pelo Banco Central (BC) ontem. No acumulado do ano, a alta é de 1,8 ponto percentual.

Os números do BC mostraram novo aumento nos juros médios cobrados pelos bancos, de 21,1% ao ano para 21,4% ao ano, entre abril e maio. Em abril do ano passado, quando o BC iniciou um ciclo de aperto monetário que acumulou 3,75 pontos percentuais, os juros médios cobrados pelos bancos nas suas operações de crédito estavam em 18,5% ao ano.

"A alta dos juros bancários era uma repercussão esperada, já que o crédito é um dos canais de transmissão da política monetária", disse Túlio Maciel, do departamento econômico do BC.

Não é só por meio da alta dos juros das operações de crédito que os bancos estão conseguindo obter spreads maiores. Mesmo em menor proporção, a queda do custo de captação trouxe impacto positivo para as instituições financeiras. No ano, a retração é de 0,1 ponto percentual, para 8,5% em maio.

Para o BTG Pactual, o aumento de 0,4 ponto percentual dos spreads foi a boa notícia para os bancos nos dados divulgados ontem. "Entretanto, apesar dos spreads melhores para a nova originação [de crédito], as principais linhas dos bancos ainda devem sentir pressão". Isso porque as instituições têm dado preferência aos "melhores" clientes, intensificando a concorrência e erodindo as margens médias.

"Os bancos indicaram que a competição das instituições públicas se retraiu e que os preços dos empréstimos começaram a ser ajustados para cima", escreveu Philip Finch, estrategista do UBS, em nota a clientes. "Na nossa visão, estamos próximos de ver uma restauração no poder de definição de preços dos bancos brasileiros, pela primeira vez em pelo menos quatro anos."

Por conta do spread maior, o analista Carlos Daltozo, da BB Investimentos, não projeta que os resultados dos bancos venham a sofrer mesmo com mudanças nas projeções de crescimento do crédito, algo esperado por ele.

O analista da Brasil Plural Eduardo Nishio, no entanto, ressalta que essa compensação por meio do spread só se sustenta em um cenário de inadimplência baixa. "Enquanto não há uma piora relevante da inadimplência, esse aumento do spread consegue compensar. Neste ano os bancos ainda estão melhorando a rentabilidade, mas para o ano que vem eu acho que será mais difícil, porque haverá uma piora no cenário de inadimplência", afirma Nishio. (Colaborou Fabiana Lopes)

Fonte: Valor Econômico 

Notícias Relacionadas

Teletrabalho: CEE recusa proposta apresentada pelo banco

Proposta sobre teletrabalho retrocede e é prejudicial aos trabalhadores   A Comissão Executiva dos Empregados (CEE) da Caixa Econômica Federal se reuniu ontem (16) com o banco para mais uma rodada de negociação. Na ocasião foi analisada a proposta sobre teletrabalho apresentada pelo Banco. Representantes dos trabalhadores recusaram a proposta e destacaram retrocesso e medidas […]

Leia mais

BB insiste em reduzir ciclos avaliatórios da GDP

Campanha Nacional O Banco do Brasil voltou a propor a redução dos ciclos avaliatórios da Gestão de Desempenho Profissional (GDP), durante a sétima rodada virtual de negociação da pauta específica com a Comissão de Empresa (CEBB), realizada nesta terça-feira, dia 16 de agosto. O banco quer apenas um ciclo avaliatório para descomissionar; o aditivo à […]

Leia mais

Financiários se reúnem com a Fenacrefi nesta quarta-feira (17)

Reunião será a primeira negociação da Campanha Nacional 2022 A Federação dos Bancários dos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul (Feeb SP/MS) participa nesta quarta-feira (17), junto com demais representantes dos financiários, da primeira negociação da Campanha Nacional 2022, com a Federação Interestadual das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento (Fenacrefi). Inicialmente, […]

Leia mais

Sindicatos filiados